O lado positivo de quem oferta crédito para o consumidor

Perto da sanção presidencial, o cadastro positivo deve mudar a configuração do chamado Credit Score, que é o conjunto de informações para a concessão de crédito

Por: - 6 meses atrás

Crédito: Ivan Ventura

As mudanças nas regras da lei do cadastro positivo promete causar uma reviravolta na composição do chamado “Credit Score” (conjunto de informações usados na concessão de empréstimos) usado por bancos e demais negócios do setor financeiroA mudança foi aprovada pelo Senado e deverá ser sancionada em breve pelo presidente Jair Bolsonaro.

cadastro positivo foi aprovado em 2011 e é um banco de dados com informações sobre o histórico de crédito dos consumidores (pessoas físicas e jurídicas), com pontuações para quem mantém as contas em dia. Esse banco de dados inclui o histórico de pagamento das conta de luz, água, telefone e outros. Pelo texto vigente, a inclusão no cadastro positivo é voluntária, ou seja, depende do consumidor. A nova lei prevê a inclusão automática dos brasileiro nessa base de dados. Quem não quiser fazer parte precisará se manifestar sobre o assunto.

O cadastro positivo foi tema da palestra Ricardo Thomaziello, diretor executivo de dados do Quod, durante o Data Driven Business 2019, evento anual da empresa Neoway. Ele comparou os modelos de análise de crédito dos EUA e do Brasil.

Segundo ele, o mercado de bureau de crédito (caso do Serasa e Quod) estima que o credit score brasileiro é composto por aproximadamente 55% de informações negativas. Um dos dados negativos mais relevantes para o mercado é a chamada negativação vigente, que sozinho corresponde a uma relevância de 35% sobre o total. Depois, aparecem histórico de negativos (10%) e tempo inadimplente (10%).

“Nos EUA, a relevância mais alta em histórico de pagamentos, volume de crédito tomado e volume de informações disponíveis. O Brasil utiliza dados negativos e limita a oferta de crédito”, disse Thomaziello.

Histórico de pagamento

Já nos EUA, a situação é diferente. Hoje, a informação mais relevante do mercado americano é o histórico de pagamento. Thomaziello usou como exemplo a composição da FICO, uma empresa de software analítico de tomada de decisões de crédito. Hoje, a companhia o histórico de pagamento corresponde por 35% do total. Em seguida aparecem o volume de crédito tomado (30%) e o tamanho do histórico de crédito (ou seja, todo o passado de tomada de crédito). Sobre esse percentual, a Fico afirma: “Essas porcentagens são baseadas na importância das cinco categorias para a população em geral. No entanto, a importância dessas categorias pode variar de uma pessoa para outra”, diz a companhia.

Crédito: Fico Score

“Estimamos que 20 milhões de pessoas terão acesso ao crédito a partir do cadastro positivo. Nós estamos falando de R$ 1 trilhão que poderá ser injetado na nossa economia”, disse.