Ultrafarma interrompe SAC e fecha canais de venda

Sem dar explicações, a Ultrafarma interrompeu canais de venda e o serviço de atendimento ao cliente, que é exigido por lei para venda de medicamentos

Por: - 4 semanas atrás

Sidney Oliveira é o dono e o rosto da Ultrafarma

A varejista de farmácias Ultrafarma, do garoto-propaganda e empresário Sidney Oliveira, fechou a operação de televendas. O sistema telefônico de envio de pedidos dos revendedores também não está funcionando, segundo o jornal Valor Econômico.

De acordo com a publicação, o fechamento dos canais de venda está relacionado com a necessidade de a empresa cortar custos e reestruturar a área de atendimento. A ação resultou na demissão de 300 pessoas desde o começo deste ano.

Cerca de 70% das vendas da Ultrafarma são realizadas pela Internet. Os 30% restantes ficam a cargo dos canais de televendas, revendedores e das quatro lojas da rede.

LEIA MAIS: As 4 empresas queridinhas dos investidores americanos em 2019

SAC

O serviço de atendimentos aos consumidores, que não é terceirizado, mas realizado dentro da empresa, também está fora do ar, isso já há algumas semanas. Por ser um serviço regulado, a venda de medicamentos precisa, necessariamente, ter um SAC operando por telefone, segundo a legislação nacional.

Perguntada se os revendedores haviam sido avisados com antecedência e os motivos da interrupção do atendimento no SAC, a rede não quis se pronunciar.

Mercado farmacêutico

Sem divulgar resultados, ao fechar canais de venda, a Ultrafarma sinaliza para o sentido oposto do mercado varejista de farmácias, que tem expandido em faturamento, serviços e unidades. A Associação Multimarcas de Farmácias (Farmarcas) aponta crescimento de cerca de 10% no setor de farmácias em 2018, muito acima do PIB. A líder do segmento, Raia Drogasil, anunciou, em fevereiro, a compra da rede Onofre, que pertencia à americana CVS, e tem aberto 230 novas lojas por ano. A rede Pague Menos amplia significantemente sua participação no varejo físico no Sudeste. No online, a rede nordestina aumentou em 50% os pedidos via site desde 2015 e, no ano passado, elevou seu  faturamento na internet em 60%.

LEIA MAIS: