STF ordena bloqueio de redes sociais após mensagens contra a Suprema Corte

Em despacho, ministro Alexandre Moraes ainda determinou a busca e apreensão de celulares, tablets e computadores de sete acusados de injúria e difamação contra o STF

Crédito: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a busca e apreensão nos endereços de sete pessoas que, segundo a corte, teriam utilizado as redes sociais para promover ataques aos ministros do STF. Na decisão, ele exigiu ainda o bloqueio das redes sociais e do WhatsApp dos investigados.

O despacho é um desdobramento de uma investigação da Suprema Corte que começou em março e foi motivada por supostas práticas de injúria e difamação direcionadas ao STF. “Foi verificada a postagem reiterada em redes sociais de mensagens contendo graves ofensas a esta Corte e seus integrantes, com conteúdos de ódio e de subversão da ordem”.

Bloqueio das redes sociais

No documento, o ministro determinou ainda que a Polícia Federal apreendesse celulares, tablets e computadores. Em seguida, ordenou o bloqueio das redes sociais dos acusados. “Determino, ainda, o bloqueio de contas em redes sociais, tais como Facebook, WhatsApp, Twitter e Instagram, desses mesmos investigados”, diz o texto.

Um dos alvos do despacho de Moraes foi o candidato derrotado ao governo do Distrito Federal na eleição do ano passado pelo PSL, o general da reserva Paulo Chagas. “Em pelo menos uma ocasião, o investigado defendeu a criação de um tribunal de exceção para julgamento dos ministros do STF ou mesmo substituí-los”.

LEIA MAIS: CONFIRA A EDIÇÃO ONLINE DA REVISTA CONSUMIR MODERNO

Pouco depois, Chagas chegou a ironizar o despacho de busca e apreensão autorizada pelo Ministro Moraes em uma rede social. “Caros amigos, acabo de ser honrado com a visita da Polícia Federal em minha residência, com mandado de busca e apreensão expedido por ninguém menos do que ministro Alexandre de Moraes. Quanta honra! Lamentei estar fora de Brasília e não poder recebê-lo pessoalmente”, escreveu Paulo Chagas.






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS