Artigo: Softwares analisam expressão facial para medir sucesso das campanhas publicitárias

Catalina Bonnet, da Kantar, discute o papel dos softwares de reconhecimento de expressõs faciais nas campanhas de publicidade na era da digitalização

Imagem: Unsplash

Entender o comportamento humano é um assunto que transcende o interesse da ciência e da psicologia. Para a publicidade, esse também é um tema fundamental para a criação de conteúdo relevante, toda vez que está ficando mais difícil gerar uma comunicação de sucesso, devido ao excesso de estímulos aos quais as pessoas estão expostas.

A neurociência desenvolveu a oportunidade de aprender como o cérebro trabalha, e isso chamou a atenção dos acadêmicos. Daniel Kahneman, em sua publicação Thinking, Fast and Slow (2011), divide o comportamento humano em dois sistemas diferentes: o “sistema 1” é muito rápido, intuitivo, e produz uma resposta automática que não precisa de pensamento deliberativo, dominando a tomada de decisões rápidas e fáceis.

Por outro lado, o “sistema 2” é mais devagar e deliberativo. Nele, a tomada de decisões é mais reflexiva e o indivíduo dá mais peso às opções que tem, estudando suas vantagens e riscos. Quando aplicado esse conhecimento à escolha das marcas, percebe-se que elas são feitas predominantemente na base do sistema 1, o que não diminui a importância do sistema 2 nesse processo.

Estudos em neurociências realizados pela Kantar provaram que os anúncios que comunicam mensagens intuitivamente, sem que as pessoas precisem pensar ativamente para entendê-los, têm mais probabilidade de sucesso na hora da escolha de uma marca por parte do consumidor.

Além disso, de acordo com a hipótese de feedback facial (FFH), as expressões faciais não são apenas manifestações externas de estados internos, mas influenciam as experiências emocionais. Em outras palavras, a ligação entre expressões faciais e emoções é tão forte que é recíproca.

Codificação da expressão facial

Softwares de codificação facial para estudos de comunicação detectam e codificam automaticamente as reações emocionais durante toda a duração de um anúncio publicitário. O software também infere estados emocionais associados (por exemplo, surpresa) em alguns casos. Isso nos mostra a reação instintiva e não filtrada das pessoas ao anúncio.

O uso de tecnologias como essa permite capturar respostas de codificação facial e mostra esse processamento subconsciente. No entanto, é importante também entender mais o processamento cognitivo, que é crucial para expressar com precisão respostas emocionais a estímulos.

A resposta emocional instintiva é resumida por três métricas chave de codificação facial: expressividade – quanto mais o rosto reage ao anúncio, mais a pessoa se envolve com o anúncio, valência (valor da positividade da resposta emocional) – se obtém comparando o nível e a frequência das respostas faciais positivas com as negativas; e atenção – medida pela compreensão de quanto tempo é gasto olhando a peça sem desviar o olhar da tela.

Em diversos estudos de case realizados pela Kantar, há evidências claras de que o entendimento dos sistemas 1 e 2 foi fundamental para melhorar o desempenho dos anúncios. Os cases tinham contextos diferentes em termos de conexão emocional, medidos através de codificação facial e respostas deliberativas.

Os estudos mostram que a construção de uma comunicação bem-sucedida precisa da compreensão profunda das emoções, além das respostas mais conscientes. Foi assim que, no final da análise e quando os anúncios foram aprimorados com base nas recomendações finais, a publicidade conseguiu gerar maior impacto nos negócios para suas marcas.

 

Por Catalina Bonnet, country manager da Divisão de Insights da Kantar Peru

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

Vídeos

VEJA MAIS

Revista Consumidor Moderno

VEJA MAIS