Conheça o novo Centro de Inovação da P&G

Localizado em Louveira, no interior de São Paulo, Centro de Inovação reúne 150 profissionais de dez diferentes nacionalidades

Juliana Azevedo, presidente da P&G no Brasil (Foto Douglas Luccena)

Há 30 anos no Brasil, a P&G inaugurou, na quarta-feira (7), em Louveira, no interior de São Paulo, seu primeiro Centro de Inovação para América Latina. Para montar o espaço, a empresa investiu mais de R$ 200 milhões. “Ouvimos muitas vezes nos últimos dois anos que esse talvez não fosse uma decisão correta; afinal o País estava em crise. Mas acreditamos justamente no contrário, pois é no momento de crise que mais é necessário inovar. Precisamos dar para o nosso consumidor soluções ainda de maior valor agregado”, disse Juliana Azevedo, presidente da P&G no Brasil. Hoje, o Brasil é o terceiro maior mercado da P&G no mundo.

Durante a cerimônia de inauguração, a executiva reforçou que o comportamento comum de algumas marcas em tempos de crise é reduzir o preço por meio da queda de qualidade. “A P&G pensa diferente. Queremos oferecer os produtos mais inovadores, com a melhor performance”, disse Juliana. Isso porque, segundo ela, com a retomada da economia, a tendência é que a empresa avance mais fortemente. “Na crise, as marcas que reduzem investimento em inovação ganham rentabilidade em um curto prazo, mas depois pagam um preço alto por isso”, destacou.

Inovação

Confira a edição online da Revista Consumidor Moderno! 

O novo espaço

Com oito laboratórios de alta tecnologia para o desenvolvimento de novos produtos e ingredientes, três estações de design e uma casa para levar consumidores a testarem produtos e, claro, observar como se comportam, o novo centro reúne 150 cientistas de 20 especialidades e dez diferentes nacionalidades. Entre eles estão venezuelanos que foram transferidos com suas famílias para o Brasil após o fechamento do centro de inovação da empresa em Caracas.

Inovação

Em fraca expansão industrial, a região foi escolhida por diversos motivos, entre eles pela localização geográfica privilegiada. O acesso a importantes malhas rodoviárias e a proximidade às maiores universidades da América Latina também contaram. Esse é o único centro multicategoria do mundo a reunir, em um só lugar, toda a cadeia de desenvolvimento de produto (da fábrica ao centro de inovação e distribuição). “Para a tomada de decisão fizemos o que sempre fazemos: fomos ouvir nossos consumidores. E os brasileiros são tão diversos e exigentes que podemos replicar aprendizados daqui para os demais países”, disse Juliana.

Foto Douglas Luccena

Entre as novidades estão equipamentos que simulam condições climáticas, testes com águas de diferentes países e minilinhas de produção. Elas usam internet das coisas e impressoras 3D para prototipar e desenvolver produtos em menor tempo. “Antes a gente levava dois anos para desenvolver um produto. Agora, levamos nove meses. Mas ainda não estamos satisfeitos. Nossos consumidores têm pressa”, afirmou Juliana.

Inovação

 

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS