Hambúrguer vegetal com cheiro e textura de carne? Você já pode experimentar em SP

Foodtech Fazenda Futuro desenvolveu primeiro produto 100% nacional feito com base vegetal. Mudança nos hábitos de consumo também favorecem essa tendência

Por: - 2 meses atrás

Hambúrguer vegetal

Estudo recente confirma uma tendência: a cada semana cerca de 2 mil pessoas aderem ao vegetarianismo. Além disso o setor de alimentos saudáveis por assim dizer cresceu 98% nos últimos anos. E o que isso significa? Os novos hábitos de consumos das gerações têm refletido diretamente no mercado. De olho nesse nicho em constante crescimento, a foodtech Fazenda Futuro – a mesma dos já conhecidos sucos Do Bem – começou a vender a partir desta segunda-feira (13), em São Paulo, uma novidade: o futuro burguer, um hambúrguer vegano com cheiro e textura de carne, mas feito à base de proteínas vegetais, como ervilha, grão de bico e a soja. Além disso, a beterraba é quem dá a cara de “carne mal passada” ao produto, que ainda é livre de transgênicos e glúten.

A novidade entrou para o cardápio das cinco unidades da Lanchonete da Cidade e vai custar R$ 29. O sanduíche contará ainda com alface e tomate orgânicos e queijo e maionese veganos. Apesar de ser um produto inovador no Brasil, a ideia já é bem conhecida nos Estados Unidos. Por lá, o chamado Impossible Burguer foi desenvolvido com carne vegetal depois de anos de pesquisa laboratorial. Com os estudos foi possível chegar a um hambúrguer que mantém a suculência da carne vermelha e ainda preserva os valores nutricionais.

LEIA MAIS: Nestlé lança hambúrguer vegano feito de cenoura e beterraba

Hambúrguer vegetal

Mercado em ascensão

O consumo de produtos naturais e com base vegetal virou tendência entre as novas gerações. Tanto é que um estudo divulgado pelo instituto Datafolha no ano passado mostrou que 30% dos entrevistados decidiram parar de comer carne após a operação Carne Fraca – que acusou mais de trinta gigantes alimentícias de comercializar carne estragada, alterar a data de vencimento e esconder o uso de produtos químicos. Além disso, a oferta e o fácil acesso de produtos naturais em redes varejistas reforçam essa tendência.

Já pesquisa do Ibope Inteligência de 2018 revelou que a 14% dos brasileiros da Geração Z, com mais de 16 anos se dizem vegetarianos – a porcentagem equivale a mais de 22 milhões de pessoas. Além disso entre 2012 e 2018 houve um crescimento de 8% para 12% no número de pessoas que pararam de comer carne, seja por motivação ambiental ou pela exploração dos animais.

Essa revolução vegana já movimenta 50 bilhões de reais por ano e tem chamado a atenção de empresas de fastfood. É o caso do McDonal’s, que lançou no país o McVeggie, com queijo empanado no lugar da carne, molho de geleia de pimenta, cenoura ralada, tomate e alface no pão de brioche. Já na Finlândia e na Suécia a rede colocou no cardápio o McVegan, com carne de soja. A rival Burguer King já mantém em sua linha de sanduíches uma versão veggie desde 2015. O sanduíche é feito com pedaços de batata empanada, shitake e queijo derretido. Nos Estados Unidos já são comercializados três tipos diferentes de lanches para os vegetarianos, incluindo o Bean Burguer, com hambúrguer feito de feijão.

LEIA MAIS: CONFIRA A EDIÇÃO ONLINE DA REVISTA CONSUMIDOR MODERNO

Hambúrguer vegetal