Cápsulas de café: de onde vêm e para onde vão?

No Dia Mundial da Reciclagem, conheça o centro da Nespresso, que transforma as cápsulas em alumínio reutilizável e café para adubação de plantas

Por: - 5 meses atrás

cápsulas de café

Já imaginou o que fazer com as cápsulas de café? De onde elas vêm e para onde vão? Após o uso nas máquinas, muitas vezes, o destino é o lixo. Pensando em alternativas para os produtos, a Nespresso desenvolveu um centro de reciclagem para as cápsulas. O objetivo? Transformar as embalagens em alumínio reutilizável e café para adubação de plantas.

Localizado em Osasco, na região metropolitana de São Paulo, a unidade foi aberta para visitação de jornalistas e mostrou como a empresa prevê investir R$5 milhões até o final deste ano na iniciativa.

De acordo com Claudia Leite, o setor de sustentabilidade da Nespresso busca uma gestão 100% sustentável, com o slogan “Se é Nespresso, é reciclável”. Feitas de alumínio, as cápsulas são produzidas nas cinco plantas da empresa na Suíça, onde as fórmulas do café são preparadas e guardadas nas embalagens.

“A reciclagem do alumínio consome 95% menos energia do que a produção de alumínio virgem”, comenta Claudia.

A empresa não revela a quantidade de cápsulas que são recicladas diariamente no centro, mas Claudia afirma que a capacidade é três vezes maior do que é feito hoje. O local tem máquinas desenvolvidas pela própria Nespresso. que são responsáveis por separar o alumínio dos restos de café e depois triturá-los.

Crédito: Jade Castilho

JÁ VIU? Time: adolescente ativista pelo clima é eleita uma das 2019 líderes do futuro

Processo

As cápsulas chegam ao local após as doações dos próprios clientes. Segundo a executiva, os consumidores são incentivados a levarem as embalagens depois do uso a uma das 28 boutiques da Nespresso espalhadas pelo país.

Com o recolhimento, elas são levadas ao centro de reciclagem e colocadas em uma máquina que responsável pela trituração. O passo seguinte se dá com a separação do metal e do café, que ainda restava nas cápsulas. Os materiais são diferenciados e destinados para dois contêineres.

Funcionários fazem a triagem das cápsulas após processamento

As máquinas não conseguem separar completamente os dois itens, mas, segundo Claudia, isso não prejudica o produto. No caso do alumínio, é permitido ter até 10% de café impregnado. Segundo a marca, apenas 3% do resíduo é mantido, enquanto o pó de café contém apenas 1% do alumínio depois do processo de separação.

A finalização do processo é feita com 21 cooperativas parceiras. O alumínio é destinado para uma distribuidora que atua na reutilização do metal e o café é levado para uma cooperativa fabricante de insumos de adubação.

Café é separado para ser destinado à fabricante de adubos

Mobilização

Atualmente 81% dos consumidores têm acesso aos mais de 90 pontos de coleta de cápsulas de café. No entanto, apenas 20,1% está reciclando.

Para Claudia, isso também tem a ver com a falta de engajamento dos consumidores que não entendem que a reciclagem é um dever coletivo. Ainda assim, houve um aumento na reciclagem, já que em 2018 eram 17%, em 2017 13,3%, e 2016 apenas 8,6%.

“Não oferecemos nenhum tipo de incentivo ou bônus para o consumidor que levar as cápsulas para a boutique. Nós queremos que ele se engaje espontaneamente, que se mobilize e abrace a causa junto com a gente”, finaliza Claudia.

Também é possível agendar uma visita presencial ao centro de reciclagem ou fazer um tour virtual no site da Nespresso.

LEIA MAIS: Confira a edição online da Revista Consumidor Moderno!