Brasileira cria startup e inova tratamento psicológico

Em entrevista à CM, Tatiana Pimenta conta sobre a fundação da Vittude, com o amigo Everton Höpner em 2016, e revela desafios da saúde mental no Brasil

Por: - 6 meses atrás

A procura por um tratamento psicológico pode causar incômodo a qualquer pessoa. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 300 milhões de pessoas sofrem com depressão em todo o mundo e outras 260 milhões vivem com ansiedade.

Na era digital e com o aumento dos índices de transtornos de saúde mental, iniciativas têm surgido para propor resoluções para o problema. Uma dessas inovações do mercado é a startup brasileira Vittude, uma plataforma que conecta psicólogos e pacientes em menos de 1 minuto.

Criada em 2016 por Tatiana Pimenta e Everton Höpner, a Vittude tem mais de 11 mil pacientes e cerca de 600 psicólogos ativos na plataforma. Em abril de 2019, a startup superou a marca de 1 milhão de visitantes em um único mês.

Em entrevista à CM, Tatiana Pimenta, engenheira de 37 anos premiada no Cartier Women’s Initiative Awards, conta sobre o processo de criação da healthtech, as áreas de atuação da Vittude e os gargalos do atendimento em saúde mental no Brasil.

CONFIRA a entrevista

Consumidor Moderno: Como surgiu a ideia de criar a Vittude?

Tatiana Pimenta: Faço terapia há alguns anos e no passado encontrei uma dificuldade muito grande em encontrar um profissional que pudesse me ajudar. Quando decidi que queria fazer terapia, meu primeiro passo foi recorrer ao guia do plano de saúde. Olhar um catálogo de plano de saúde é uma verdadeira frustração. É uma coletânea de nomes e endereços empilhados um sobre o outros, sem nenhuma informação que me ajude a escolher o melhor profissional.

Decidi pesquisar pelos psicólogos mais próximos do endereço da minha casa. Para minha decepção, fui em três psicólogas super inexperientes. Nenhuma delas conseguiu criar um vínculo e me ajudar com as minhas questões. Percebi que esse percurso para encontrar um psicólogo que ajude com nossas demandas é realmente complexo.

Quando criei a Vittude, pensei bastante em coisas que sentia falta e não achava nos catálogos dos planos: currículo, qual área de atuação e se o forte daquele psicólogo era o que eu estava buscando e principalmente endereço, agenda e valor da consulta. Ter que ligar para o psicólogo, na maioria das vezes não ser atendida, esperar por respostas das dúvidas iniciais era muito irritante.

Em 2015, tive um problema de saúde familiar, e vi a dificuldade que temos de acesso a profissionais de saúde quando estamos no interior do nosso país. Meus pais moram no interior do Mato Grosso do Sul e para muitas consultas médicas precisam se deslocar até Campo Grande (440 km de distância). Nessa ocasião, eles tiveram que vir para São Paulo e pude perceber o quanto serviços de telemedicina poderiam ter reduzido o tempo de permanência deles fora de casa.

Quando tudo ficou bem, meu incômodo se transformou em um desejo enorme de empreender e fazer algo de diferente pela saúde do nosso país.

CM: Quais os segmentos de atuação da startup?

TP: Para empresas oferecemos um programa de saúde mental e qualidade de vida, como um benefício corporativo, onde os empregadores subsidiam parte do processo de terapia de seus funcionários. A empresa paga um valor fixo por colaborar e este pode acessar os psicólogos da plataforma, com valor diferenciado, tendo acesso uma economia real durante o processo de terapia.

Atualmente as empresas brasileiras gastam mais de R$200 bilhões de reais com afastamentos relacionados a quadros de ansiedade, depressão, Burnout e outros diagnósticos relacionados ao CID-F (Transtornos Mentais e Comportamentais). Investir em saúde mental e bem-estar passou a ser crucial para as organizações, uma vez que elas têm enfrentado problemas como o aumento do absenteísmo, presenteísmo, queda na produtividade e comprometimento do clima organizacional.

Para pessoas físicas, oferecemos uma forma simples e segura de encontrar um psicólogo e agendar uma consulta, sendo ela presencial ou online. Mais de 20% dos nossos pacientes hoje são brasileiros imigrantes ou expatriados, que moram cerca de 50 países diferentes e sofrem com questões relacionadas à dificuldade de adaptação cultural, isolamento social, dificuldade com a língua e outros problemas como a falta de sol e depressão.

Falar com um psicólogo online e em português é uma alternativa para que essas pessoas consigam ter uma vida mais equilibrada. Nas cidades grandes, como São Paulo e Rio, o uso é grande. Nesses casos, os pacientes optam pelo online pela comodidade do serviço, além da redução de desperdícios de tempo e dinheiro no deslocamento até os consultórios.

Para psicólogos, fornecemos uma ferramenta completa de gestão, com um consultório virtual desenvolvido exclusivamente para atendimentos de saúde. Eles deixam a burocracia conosco e cuidam do que é mais importante, seus pacientes.

CM: O que o usuário busca nesse tipo de serviço?

TP: Ele busca resolver suas questões emocionais, ser bem atendido, encontrar um psicólogo que consiga compreendê-lo e apoiá-lo em sua jornada. No fundo, quem busca a ajuda de um psicólogo está atravessando alguma situação difícil e percebe que precisa de orientação especializada para elaborar melhor pensamentos e tomar ações de forma mais coerente e assertiva.

CM: A questão da saúde mental tem sido cada vez mais debatida. As healthtechs são alternativas para o usuário nesse cenário?

TP: Com toda certeza a Vittude e outras plataformas surgem para aumentar o debate e proporcionar maior acesso de bons de serviços e saúde mental. Vivemos num país onde cerca de 50% dos municípios não possuem psicólogos. Ter ferramentas que possibilitem que pessoas, em qualquer canto do mundo, falem com psicólogos de forma simples e segura é fundamental.

LEIA MAIS: Confira a edição online da Revista Consumidor Moderno!