Estudo mostra as maiores inflações médicas do mundo. Brasil é o terceiro

A inflação médica é o indicador usado no reajuste de preço dos planos de saúde. Um dado que chama a atenção é a previsão de alta do primeiro colocado: 100.000% em 2019

Por: - 3 semanas atrás

planos de saúde Crédito: Shutterstock

Esta semana, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que a ausência de registro da Anvisa proíbe – como regra geral – o fornecimento de medicamento por decisão judicial. Uma das exceções é quando há um diagnóstico de  doença rara (hemofilia) e, mesmo nesses casos, é preciso preencher três requisitos: a existência de solicitação de registro do medicamento no Brasil; a existência de registro da medicação em renomadas agências de regulação no exterior; e a inexistência de substituto terapêutico com registro no Brasil.

LEIA MAIS: Confira a edição online da Revista Consumidor Moderno!

A decisão pode encerrar milhares de pedidos de medicamentos importados feito à Justiça e que impactam um complexo indicador na saúde chamado inflação médica. A propósito do assunto, a Aon, empresa com foco em serviços profissionais, produziu um estudo sobre chamado Tendências Globais dos Custos de Saúde 2019. Feito em 130 países, o levantamento estimou a inflação médica ao redor do mundo. E há algumas surpresas pouco agradáveis.

Venezuela em primeiro lugar

Uma delas é que a inflação médica global média prevista para este ano será de 7,8%. Esse percentual, no entanto, é bem superior a inflação convencional ou econômica, que terá um crescimento de aproximadamente 3% em todo o mundo para este ano.

O Brasil terá a terceira maior inflação médica para este ano, com uma previsão de 17%. No entanto, nem o País e o segundo colocado (Argentina com 25% de alta para este) chegam perto do primeiro colocado: a Venezuela com 100.000% para 2019.

“Os números para a América Latina e Caribe continuam muito altos. Em 2019, estima-se que a taxa anual geral de inflação dessa região seja de 4,7%. Os três países com as maiores variações são Venezuela, Argentina e Brasil, com 100.000%, 25% e 17%, respectivamente.”, aponta Nicolás Jiménez, Líder de Analytics da Aon na América Latina. A seguir, veja alguns números do estudo:

planos de saúde