15 projetos urbanos para cidades zero carbono

Fast Company traz relatório do concurso Reinventing Cities com novos usos para espaços vazios e abandonados em cidades ao redor do mundo

Por: - 3 meses atrás

zero carbono

O mundo começa a caminhar para um futuro mais sustentável e as cidades não ficam de fora dessa onda de consumo consciente. A Fast Company elaborou um relatório sobre o concurso Reinventing Cities, que pediu a arquitetos que encontrassem novos usos para espaços vazios e abandonados em cidades ao redor do mundo. Os resultados são um exemplo extraordinário de como as cidades do futuro poderiam parecer.

A competição lançada há dois anos pela C40 Cities  por uma rede de prefeitos focada em encontrar soluções para a mudança climática, propôs a criação de 15 novos espaços nas cidades de Chicago, Madri, Milão, Paris, Oslo e Reykjavík com zero emissão de carbono.

LEIA MAIS: Confira a edição online da Revista Consumidor Moderno! 

Gardfield Park

Em dois terrenos vagos no bairro de Garfield Park, em Chicago, um novo empreendimento de habitação com zero líquido foi projetado para funcionar com energia renovável, produzir alimentos no telhado e processar águas pluviais no local. Os prédios ultraeficientes, projetados para padrões de “casa passiva” seriam construídos em uma fábrica modular local.

zero carbono

Mercado Habitado

Um edifício de mercado não utilizado em Madrid seria renovado com materiais reciclados e madeira certificada que produziria energia própria através de painéis solares no telhado e nas paredes. Dentro do mercado, a comunidade teria acesso a produtos orgânicos locais e oficinas sobre mudança climática.

zero carbono

Tercer Sonido

Em terrenos baldios de uma parte de Madrid, entre uma área industrial e residencial, um novo empreendimento incluiria moradia estudantil, espaços de ensaio e um auditório para músicos, uma loja orgânica e espaço para a agricultura urbana.

zero carbono

Campus para Cidades Vivas

Um novo centro estudantil de emissões zero na Universidade Politécnica de Madrid – com instalações de habitação, esporte e arte, e um laboratório para projetos de pesquisa de sustentabilidade – usaria um design passivo para reduzir o uso de energia.

zero carbono

Bateria Urbana

Uma nova fábrica na capital espanhola fabricaria baterias biodegradáveis ​​de zinco e funcionaria com energia de uma fazenda solar na propriedade, criando mais de 100 empregos locais. Técnicas de agricultura regenerativa reabilitariam o solo.

zero carbono

L’innesto

Em um antigo terminal de cargas em Milão, um novo projeto de habitação social seria o primeiro na Itália a ser neutro em carbono. O design limitaria o espaço para carros pessoais e teria espaço extra para estacionamento de bicicletas, estações de recarga para carros elétricos e um esquema de compartilhamento de carros no bairro.

zero carbono

Co-inventando Doria

Em um estacionamento perto da estação central de trem em Milão, um novo albergue neutro em carbono teria painéis solares no telhado, um pátio verde e uma “parede de respiração”, que pode recuperar energia e filtrar o ar.

zero carbono

Vitae

Um terreno baldio em Milão seria transformado em um prédio de pesquisa e educação com energia solar, aquecimento geotérmico e um caminho coberto de plantas que leva a um vinhedo e a hortas no telhado.

zero carbono

Teatro Delle Terme

Os estábulos históricos em Milão, desativados atualmente, seriam convertidos em um parque urbano com uso de fontes termais naturais na área. Os prédios usariam painéis solares e térmicos, que aqueceriam a água e seriam conectados à rede de aquecimento do bairro.

zero carbono

Receita para o futuro

Em terrenos baldios em uma área industrial em Oslo, novas moradias e espaços comerciais seriam neutros em carbono. Materiais de construção seriam reciclados da indústria da construção, reduzindo 90% das emissões.

zero carbono

A Vila Urbana

Em um estacionamento em um bairro suburbano nos arredores de Oslo, uma nova comunidade produziria mais energia do que consome, com painéis solares cobrindo fachadas e telhados em prédios projetados para padrões passivos de casas.

zero carbono

MKNO

No subúrbio parisiense de Bobigny, um novo empreendimento incluiria moradias, escritórios, lojas e espaços comunitários, como uma biblioteca e uma creche, com o prédio aquecido com energia geotérmica e calor desperdiçado de locais próximos.

zero carbono

Odyssee Pleyel

No subúrbio de Saint-Denis, no norte de Paris, um antigo prédio industrial receberia uma reforma de zero carbono com painéis solares, células solares térmicas e baterias de zinco.

zero carbono

Lifandi Landslag

Em um local industrial poluído perto de uma estação de trem planejada em Reykjavík, um novo prédio de uso misto seria o maior prédio de madeira da Islândia. O edifício (chamado Lifandi Landslag ou Living Landscape) formaria um anel em volta de um novo parque repleto de plantas nativas, e o telhado também estaria coberto por vegetação.

zero carbono

Tecido

Em um local não utilizado no centro de Reykjavík, um novo edifício de energia ultrabaixa combinaria coworking e coliving junto com espaços públicos e lojas. A energia geotérmica aqueceria o edifício, que teria um telhado verde, paredes verdes e estufas.

zero carbono

JÁ VIU? Uber inova e oferece passeio de submarino em corais na Austrália