Programa do Google diagnostica câncer de pulmão ‘com mais eficiência que médicos’

Software tem mais eficiência que os médicos no diagnóstico da doença com base em exames de pulmão, diz pesquisa

Por: - 2 meses atrás

câncer de pulmão Crédito: Shutterstock

A Inteligência Artificial (IA) pode ser mais eficiente do que os médicos no diagnóstico de câncer de pulmão? Um estudo realizado por cientistas da Universidade de Northwestern, em Illinois nos Estados Unidos, em parceria com o Google, espera aumentar a tecnologia do diagnóstico do câncer de pulmão.

A identificação de tumores em estágio inicial facilitaria o tratamento do câncer. A equipe responsável pela pesquisa afirmou que a inteligência artificial terá um papel importante no futuro da medicina, mas o software ainda não está pronto para uso clínico.

O estudo se concentrou no câncer de pulmão, que mata mais pessoas – 1,8 milhão – por ano do que qualquer outro tipo de tumor nos Estados Unidos, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

LEIA MAIS: Confira a edição online da Revista Consumidor Moderno! 

Pesquisa

O estudo utilizou inteligência artificial para determinar se a análise de tomografias computadorizadas poderia ser aprimorada. O primeiro passo, de acordo com a publicação da pesquisa, foi treinar o software por meio de 42.290 imagens de tomografias de pulmão de quase 15 mil pacientes.

Os pesquisadores não indicaram à inteligência artificial o que procurar, apenas quais pacientes tinham câncer e quais não. Em seguida, o software foi testado contra uma equipe de seis radiologistas especializados na interpretação de tomografias.

O programa foi mais eficiente do que os radiologistas ao examinar uma única tomografia computadorizada, e foi tão eficaz quanto quando havia várias tomografias para serem interpretadas.

Os resultados, publicados na revista científica Nature Medicine, mostram que a inteligência artificial poderia aumentar a detecção do câncer em 5%, e ao mesmo tempo reduzir os falsos positivos de pessoas diagnosticadas erroneamente com câncer, em 11%.

JÁ VIU? Startups, hubs e agências: formas de consumir informação mudaram o mercado