ANS divulga novas regras para planos de saúde

A partir de junho deste ano, beneficiários de planos de saúde coletivos já podem migrar para outros planos e operadoras; novas regras garantem portabilidade

Por: - 3 meses atrás

Planos de saúde Crédito: Shutterstock

A partir de junho deste ano, beneficiários de planos de saúde coletivos já podem migrar para outros planos e operadoras, de acordo com as novas regras da Agência Nacional de Saúde Complementar (ANS), anunciadas no final de 2018.

Anteriormente às novas determinações, só clientes de planos individuais e familiares poderiam fazer a portabilidade. Com a mudança de regras, todos os clientes podem ter direito a ela.

A portabilidade é o direito de trocar de plano por alguma insatisfação ou inadequação do serviço. Agora, o cliente de um plano coletivo empresarial vai poder migrar para um plano individual sem cumprir carência, desde que tenha a mesma faixa de preço e respeite o prazo mínimo de permanência.

É preciso ficar no mínimo dois anos no plano de origem para pedir a primeira portabilidade e no mínimo um ano para fazer novas portabilidades.

LEIA MAIS: Confira a edição online da Revista Consumidor Moderno! 

Mercado

Os planos empresariais representam quase 70% do mercado e dispõem da mesma cobertura assistencial dos demais planos.

A medida beneficia também os demitidos, que precisariam cumprir novos períodos de carência ao mudar de plano de saúde.

Segundo a ANS, não será exigida compatibilidade de preço para os planos em pós-pagamento, modalidade dos planos coletivos em que a quitação dos custos é feita após a utilização do serviço.

Veja o que mudou:
Planos coletivos

COMO ERA: Pela norma em vigor até agora, apenas beneficiários de planos individuais ou familiares e coletivos por adesão poderiam fazer a portabilidade.

COMO FICA: A norma amplia a portabilidade para beneficiários de planos coletivos empresariais.

Compatibilidade

COMO ERA: A regra exigia que as coberturas entre o plano de origem e o plano de destino fossem compatíveis.

COMO FICA: É possível mudar para planos com tipos de cobertura maiores que o de origem, sem precisar cumprir carência para as coberturas já previstas no plano anterior. Com a mudança, quem possui um plano ambulatorial poderá fazer portabilidade para um plano ambulatorial e hospitalar.

JÁ VIU? Estudo mostra as maiores inflações médicas do mundo. Brasil é o terceiro