O que a aquisição da Uranet pela Konecta representa para o mercado

Aquisição cria uma empresa de extremo potencial, com força para continuar sua expansão no Brasil e aproveitar a presença do Grupo espanhol no exterior

Por: - 4 meses atrás

uranet

Presente no mercado brasileiro há quase 20 anos, a Uranet foi adquirida pelo grupo espanhol Konecta no início de 2019, em uma das maiores operações do mercado brasileiro nos últimos tempos. A compra representa uma grande transformação no mercado: cria um player forte, que planeja faturar R$ 500 milhões neste ano no Brasil. Durante o período de transição, a empresa passa a ser chamada de Uranet Agora É Konecta. Depois, assumirá apenas o nome da matriz espanhola.

Márcio Araujo, ex-sócio da Uranet, é quem está à frente da operação. Ele explica que o DNA da Uranet sempre foi de tecnologia e flexibilidade e que sempre foram oferecidas soluções de ponta a ponta adaptadas à realidade de cada empresa e às novas necessidades do mercado. “A união com a Konecta comprova a qualidade de nossa gestão, de nossos serviços e de nossa capacidade de integrar com eficiência todas as etapas do atendimento às empresas”, argumenta.

LEIA MAIS: A cada contato, uma oportunidade

A visão positiva não é unilateral. “Com esta aquisição, a Konecta não só reforça sua posição no Brasil como agrega os talentos e as soluções da Uranet, que pretendemos aplicar em todos os países em que estamos presentes, beneficiando os nossos clientes onde eles estiverem”, afirma Jesús Vidal Barrio, CEO do Grupo Konecta.

Para a Uranet, a oportunidade de fazer parte do forte grupo multinacional agregará mais capacidade de investimento, tecnologias e processos de gestão. “Somos muito bem estruturados, mas faltava uma expertise internacional para consolidar o que já fazemos e fortalecer a nossa expansão geográfica e tecnológica”, analisa Araujo. “As soluções oferecidas pela Konecta estão sendo acopladas ao IntergrALL, nossa principal tecnologia, agregando, por exemplo, capacidade de atuação nas redes e marketing digital”.

Márcio Araujo, CEO da Uranet e Konecta Brasil

Tecnologia em destaque

O IntergrALL, principal produto da Uranet, já tem mais de 100 mil licenças no Brasil e cresce cerca de 15% ao ano. Essa consistência gerou o interesse de fundos de investimento e de outras empresas do setor.

A utilização de ferramentas e boas práticas da Konecta também é uma realidade por aqui. Segundo Araujo, a Analitika, metodologia de análise de dados não estruturados que englobam data science, big data e machine learning, por exemplo, está sendo utilizada no Brasil, bem como a solução de monitoramento de redes sociais Epiron.

uranet

Membros do Comitê Executivo da Konecta, da esquerda para a direita: Enrique García Gullón, diretor-geral de Negócio; Rosa Queipo de Llano Argote, secretária-geral do Conselho de Administração/Consultoria Jurídica; Mónica Serrano Ceballos, diretora-financeira; Miguel Fernández Robledo, diretor de Organização e Procedimentos; José María Pacheco Guardiola, presidente e fundador; Jesús Vidal Barrio Rivas, CEO corporativo

Expansão

A internacionalização do IntergrALL será um dos motores da expansão da nova empresa. Em breve, o sistema desenvolvido pela Uranet será, inclusive, adotado por uma empresa de telecomunicação na América Latina. Também  com foco em expansão, a empresa pretende ficar de olho em incubadoras de startups, avaliar aquisições no mercado brasileiro e adaptar o IntergrALL para empresas de menor porte.

Com essas estratégias, a multinacional espanhola quer se consolidar como líder na América Latina no fornecimento de soluções de ponta a ponta na relação empresa-cliente, oferecendo desde serviços de consultoria estratégica até o Contact Center. “Integrar todas as etapas e os canais do ciclo de atendimento sempre nos pareceu a melhor solução para as empresas”, afirma Araujo. “Separar a estratégia empresarial da operação implica dispersão de foco e de eficiência”.

A Konecta, por sua vez, tem forte atuação na Espanha e em vários países da América Latina, ocupando posições de liderança em mercados importantes como Colômbia, Peru, México, Chile e Argentina. Em 2018, a receita da multinacional cresceu 8%, alcançando mais de R$ 4 bilhões. O Grupo prevê um crescimento robusto também em 2019, apostando cada vez mais em tecnologia integrada e em soluções customizadas aos clientes.