Como marcas e agências podem contratar e manter equipes diversificadas

David Slocum, professor da Berlin School of Creative Leadership, dá dicas práticas para a contratação e retenção de equipes diversificadas em organizações

Times homogêneos produzem resultados homogêneos. Por outro lado, equipes diversificadas, construídas em torno de perspectivas, experiências e habilidades distintas, abrem espaço para a criatividade e a inovação. Segundo o professo David Slocum, docente na Berlin School of Creative Leadership, contratar equipes diversificadas sempre foi um desafio, tendo em vista a necessidade, muitas vezes urgente, de preencher vagas.

Por outro lado, isso dá oportunidade de ir além da mentalidade de trade off, ou aquele desagradável cobertor curto, no qual gestores acabam criando um problema para resolver outro.

Para ele, os contratantes poderiam, em vez de rejeitar a contratação de funcionários com perfis diversificados, tornar os processos de seleção mais longos (por mais que sejam efetivos), focar nos benefícios que esses candidatos trazem para suas organizações.

LEIA MAIS: Os cinco perfis do consumidor e o predominante no Brasil, segundo a Nielsen

Ideal

David Slocum afirma que não existe uma fórmula perfeita, mas ter lideranças transparentes, compromisso com estratégias organizacionais e práticas de recrutamento bem pensadas podem trazer mudanças importantes. Listamos aqui algumas iniciativas que vimos funcionar bem na prática:

  • Crie parcerias com universidades e organizações externas para influenciar nas buscas de emprego de candidatos que representem as metas de diversidade;
  • Divulgue mensagens para públicos diversificados, para identificar talentos;
  • Aumente os pontos de entrada da sua empresa, como estágios remunerados, empresas contratadas e programas rotativos;
  • Padronize critérios de avaliação e use medidas específicas para avaliar candidatos durante o processo de escolha;
  • Evolua dos sistemas de cadastro de interessados que se usava uma década atrás para novas ferramentas de avaliação de candidatos, que integram mídias sociais, machine learning e maiores possibilidades de dados analíticos;
  • Use linguagem imparcial nas descrições de vagas, nos materiais relacionados e durante as entrevistas;
  • Peça feedback de candidatos sobre o processo seletivo, incluindo a descrição da vaga, seleção e demais etapas;
  • Identifique características ou habilidades pessoais que acabam fazendo com que candidatos fracassem e pense em como lidar com elas;
  • Estabeleça parcerias entre as áreas de Recursos Humanos e de Comunicação da sua empresa para garantir que os processos priorizem a diversidade;
  • Crie portfólios de inovação: kits constantemente atualizados de ferramentas de recrutamento, contratação e retenção, para apoiar ações direcionadas para diferentes funções e fatias demográficas. Permita-se experimentar e aprender.

 

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

Quanto custa abrir uma franquia de varejo no Brasil?

Home office é tendência de trabalho para 2020: veja 5 dicas

“Parasita”: Pessoas, baratas, parasitas e a diluição da identidade

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

Quais são as tendências para 2020. Veja a lista

VEJA MAIS