Sexo, drogas e jogos de azar: os investimentos curiosos da Vice Ventures

Fundada por uma ex-executiva do Walmart, a empresa de investimentos possui US$ 25 milhões para investir em ideias com foco em drogas, sexo e jogos de azar

Crédito: Shutterstock

A Vice Ventures poderia ser apenas mais uma empresa de capital de capital de risco norte-americano. No entanto, a empresa fundada pela ex-executiva do Walmart, Catharine Dockery, chega ao mercado disposta a apostar em negócios que causariam calafrios em muitos investidores de Wall Streets: startups ou ideias para o mercado de consumo baseados em maconha, álcool, sexo, jogos de azar e tabaco. Mas tudo dentro da lei.

O nome, inclusive, é bem apropriado à proposta da empresa. Nos EUA, a palavra vice também é um substantivo que designa atividades ilegais e imorais, especialmente envolvendo sexo e drogas. Ou seja, o nome da empresa não seria uma mera coincidência.

LEIA MAIS:
Confira a edição online da Revista Consumidor Moderno! 

De acordo com informações do site The Hustle, a empresa, com sede em Nova York, teria levantado US$ 25 milhões em seu fundo de estreia. A ideia, ainda segundo a reportagem, é investir cerca de US $ 500 mil em empresas de cada um desses mercados considerados nebulosos, mas que a cada dia vem ganhando adjetivos como “sofisticado” e “moderninho”. Um dos primeiros alvos da empresa é apostar em marcas de bebidas enlatadas que contenha CBD – o famoso canabidiol.

O dono do dinheiro

Por trás da primeira rodada de investimento da Vice Ventures há alguns conhecidos investidores do mercado de capitais: Marc Andreessen e Bradley Tusk.

Marc Andreessen é cofundador da Netscape Communicatios Corporation e criou o primeiro navegador gráfico “www”. A empresa foi comprada pela Microsoft e se tornou no mundialmente famoso como “Internet Explorer”.

Já Bradley Tusk é fundador da Tusk Ventures, primeiro fundo de capital de risco dedicado exclusivamente a trabalhar e investir em startups com foco na política e questões legais e que ajudam na gestão pública de governos.






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS