Um sistema que encontra alimentos para celíacos

Para aproveitar um novo nicho no mercado, a startup GoFind lança um sistema para que essas pessoas encontrem estabelecimentos próximos que vendam produtos adequados para suas condições

Por: - 1 mês atrás

celíacos

De acordo com pesquisa da Euromonitor, até 2022 a venda de produtos sem glúten e lactose deve crescer entre 35% e 40% e, segundo a Fenacelbra (Federação Nacional das Associações de Celíacos do Brasil) mais de 2 milhões de pessoas são intolerantes a essas substâncias no Brasil.

Para aproveitar um novo nicho no mercado, a startup GoFind lançou um sistema para que essas pessoas encontrem estabelecimentos próximos que vendam produtos adequados para suas condições. A principal dificuldade encontrada pelo público foi a falta de lojas do varejo que tenham produtos com tais especificidades.

10 alimentos que não são o que parecem

A intenção da plataforma é diminuir a distância entre online/offline e encurtar a jornada do cliente. O sistema funciona a partir de uma integração nas redes sociais da marca ou pelo site, que pode ser acessado via mobile ou desktop. Com dados da localização do usuário, é possível mapear uma lista de estabelecimentos próximos.

Por enquanto, a companhia conta com uma lista grande de empresas do segmento vegano, orgânico e saudável. Marcas como Jasmine e Copra fazem parte da seleção que disponibiliza seus produtos para a geolocalização.

Sem glúten e sem lactose, mas com apelo popular

Várias marcas têm investido em produtos para pessoas intolerantes às mais diversas substâncias e ingredientes. De acordo com o estudo Estilos de Vida 2019 da Nielsen, estes produtos já contribuem para mais de 75% do crescimento do mercado de alimentos saudáveis.

E 26% dos entrevistados adotaram uma dieta livre de glúten e 15%, sem lactose. Os dados mostram um avanço da preocupação do brasileiro em relação a influência da alimentação e seu impacto direto na saúde do corpo.

A pesquisa também revela que o consumidor em busca de produtos saudáveis vai mais ao ponto de venda. No mês são cerca de 27 visitas, cerca de seis itens são comprados a cada ida e o ticket médio de cada consumidor chega a R$ 29,00.

Mudança de hábito: confira lista de aplicativos para monitorar comportamentos