Comissão do Senado aprova proibição de cigarro nos estádios de futebol

No último dia 10, a Comissão de Assuntos Sociais, do Senado aprovou a proibição do uso de cigarro em estádios de futebol e outros eventos esportivos. A proposta segue para a Câmara dos Deputados

Por: - 1 semana atrás

Crédito: Unsplash

Fumar em bares e restaurantes, entre outros lugares privados e até públicos, é proibido desde 1996 – muito embora as cidades tenham regulamentado essa prática apenas alguns anos depois. No entanto, uma iniciativa de um senador quer impedir o uso de cigarros também nos estádios de futebol. A proposta, aprovada na comissão de assuntos sociais, recebeu parecer pela aprovação do relator, senador Romário (Pode-RJ), e segue agora para a Câmara dos Deputados.

A proibição está presente no PL 2.330/2019 e é de autoria do senador Eduardo Girão (Podemos-CE). A ideia é criar o inciso 11 ao artigo 13-A do Estatuto do Torcedor, que estabelece condições de acesso e permanência do torcedor no recinto esportivo de uma maneira geral.

“Não fazer uso de cigarros, cigarrilhas, charutos, cachimbos, narguilé, kretek, bidis ou qualquer outro produto fumígeno, derivado ou não do tabaco”, diz o trecho do projeto do parlamentar.

LEIA MAIS: Confira a edição online da Revista Consumidor Moderno! 

Em entrevista ao site da Agência Senado, Girão afirma que a proposta é proteger a população. “A gente quer proteger essas pessoas dos prejuízos causados pelo cigarro. São R$ 57 bilhões gastos por ano pelo Sistema Único de Saúde, além das milhares de vidas perdidas”, afirma.

O relator da proposta é do ex-atacante e hoje senador Romário (Pode-RJ). Ele, que já foi flagrado fumando charutos em locais públicos, defende a medida apresentada por Girão.

“Quem fuma quer parar e não recomenda que amigos e familiares adotem o mau-hábito. Quem não fuma não pensa em começar. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, o consumo de fumo matou em 2017 mais de sete milhões de pessoas. Caso ainda mais grave configura-se com os não fumantes, que se tornam, contra a sua vontade, fumantes passivos”, observou o relator.