Metrô de São Paulo terá sistema de reconhecimento facial

Tecnologia já foi implantada no Rio de Janeiro, onde não teve um bom começo. No Metrô paulistano, o reconhecimento facial deve chegar em três anos

Por: - 3 meses atrás

reconhecimento facial Crédito: Pexels

Os mais de três milhões de passageiros que usam o Metrô de São Paulo diariamente estarão sujeitos a um novo sistema de vigilância que tem a capacidade de identificar as pessoas via reconhecimento facial. A informação foi publicada pelo jornal Folha de S. Paulo.

O sistema ainda está em contratação e terá prazo de implantação de três anos e meio a partir da data de assinatura do contrato. O custo para o Governo do Estado de São Paulo ainda não foi revelado.

A intenção do Metrô é que seu sistema passe a contar com 5 mil e 200 câmeras, 3 mil a mais que as atuais 2.200 instaladas nas estações da capital paulista. O monitoramento passará a ser centralizado. Hoje, cada estação é responsável por monitorar as imagens que capta.

O presidente do Metrô, Silvani Pereira, disse à Folha que o projeto não está vinculado a Secretaria de Segurança Pública, mas há a possibilidade de realizar um convênio com a Secretaria, receber os dados do órgão e utilizar no novo sistema de monitoramento.

Dessa forma, o sistema pode identificar foragidos da Justiça e pessoas com mandado de prisão expedidos.

Preocupação com a eficiência

O reconhecimento facial ganha escala se realmente for usado no Metrô, mas outras cidades brasileiras já utilizaram a tecnologia. A Secretaria de Segurança Pública da Bahia afirma ter prendido 41 pessoas usando o sistema, que foi implantado em uma estação de metrô e em um terminal de ônibus.

Uma das preocupações, porém, é a eficiência da tecnologia. No Rio de Janeiro, o sistema de reconhecimento facial da PM falhou e uma mulher foi presa por engano. A SSP reconheceu o erro e lamentou o fato. Na cidade, as câmeras começaram a ser testadas no Carnaval.

A última edição da revista Consumidor Moderno falou sobre polêmicas que cercam o desenvolvimento de algoritmos. Confira a matéria aqui.

LEIA TAMBÉM
Google lança função que mostra se ônibus ou metrô estão lotados
Vale do Silício proíbe o uso de reconhecimento facial