Idec alerta para produtos com falsos rótulos de ecologicamente corretos

Pesquisa da ONG de Defesa do Consumidor apurou que 47,7% dos produtos com alegações socioambientais não são ecologicamente responsáveis

Crédito: Unsplash

Uma pesquisa realizada pelo Idec, ONG de Defesa do Consumidor, com 509 produtos de higiene e cosméticos, limpeza e utilidades domésticas com alegações socioambientais em seus rótulos apurou que 47,7% não são realmente ecologicamente corretos.

O resultado foi encontrado após a análise dos rótulos de produtos das três categorias, vendidos nas cinco principais redes de supermercados do Brasil, em unidades em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Após a identificação da presença do argumento socioambiental, a instituição verificou a veracidade e a pertinência das informações e checou cada item com as empresas fabricantes.

Cada irregularidade constatada foi enquadrada nos padrões do “greenwashing“, um “banho verde” dado pelas organizações com a apropriação indevida de preceitos e conceitos socioambientais em seus produtos ou serviços.

Riscos

O tipo de problema mais identificado nos rótulos analisados foi o item “sem provas”, encontrado em 168 casos, relacionado a produtos que se dizem ambientalmente corretos, mas não apresentam provas como laudos e relatórios técnicos.

Em segundo lugar, ficou “irrelevância” da informação, que ocorre quando a alegação até pode ser verdadeira, mas não é importante para o consumidor que procura uma opção com vantagem ambiental.

Já em outras 65 embalagens foi identificada “vagueza e imprecisão”, que ocorre pelo uso de expressões mal definidas e amplas ou de difícil compreensão ao consumidor, como “amigo do meio ambiente”, “sustentável” ou “natural”.

A pesquisadora do Idec alerta para o risco que uma informação enganosa pode causar para o consumidor.

“Muitas empresas colocam determinadas marcas ou selos no produto sem nenhuma rastreabilidade ou credibilidade, induzindo os consumidores a acreditar em algo que não tem fundamento. Essa pesquisa é mais uma ferramenta para alertar o consumidor a ficar atento na hora de fazer suas escolhas”, alerta.

LEIA MAIS
Confira a edição online da Revista Consumidor Moderno!

Governo proíbe venda de seis marcas de azeites fraudados

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

Quanto custa abrir uma franquia de varejo no Brasil?

Home office é tendência de trabalho para 2020: veja 5 dicas

“Parasita”: Pessoas, baratas, parasitas e a diluição da identidade

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

Quais são as tendências para 2020. Veja a lista

VEJA MAIS