Filhos de pais mais velhos têm menos problemas de comportamento, diz estudo

Estudo de Universidade na Holanda concluiu que crianças de casais mais jovens podem ser mais agressivas e não sofrerem de ansiedade

Por: - 1 mês atrás

comportamento Crédito: Unsplash

Com o passar dos anos, o número de filhos em famílias e a faixa etária dos pais mudou. Hoje, os casais escolhem ter seus filhos mais tarde do que o comum. Um estudo holandês apontou que filhos de pais mais velhos têm menos problemas de comportamento e são menos agressivos.

O estudo analisou que os filhos de casais mais jovens apresentavam ansiedade, depressão e até um comportamento agressivo a partir dos 10 anos de idade em 36 países diferentes. Ao comparar essa situação com as crianças de pais mais velhos, os pesquisadores descobriram que elas são menos agressivas e ansiosas.

Entretanto, de acordo com o levantamento, também foi descoberto que a idade dos pais, isolada, não é um fator que influencia o comportamento das crianças.

Para Marielle Zondervan-Zwinjenburg, pesquisadora da Universidade de Utrecht, na Holanda, responsável pelo estudo, é possível que a agressividade e outros problemas estejam ligados a transtornos como autismo.

“As evidências apontam para uma associação entre a idade dos pais e os transtornos do espectro do autismo e esquizofrenia. Por isso queríamos saber se há uma associação na população geral entre a idade dos pais e problemas comuns de comportamento nas crianças, além dos diagnósticos clínicos”, afirma.

Metodologia

A pesquisa foi realizada com base no comportamento de 32 mil crianças holandesas entre 10 e 12 anos de idade, que participaram de quatro análises. No primeiro estudo, as mães avaliadas tinham entre 16 e 46 anos e os pais entre 17 a 68 anos. No segundo, as mães possuíam entre 17 a 47 anos e os pais escolhidos tinham de 18 até 63 anos.

Nas últimas duas etapas, a idade mínima dos pais era 16 anos e a máxima era 52. Após as análises finalizadas, os pesquisadores confirmaram a hipótese de que pais mais novos tinham filhos com menos problemas de comportamento agressivo.

LEIA MAIS:
Saiba como são os pais da geração Millennial