Lente de contato com zoom: a mais nova invenção científica

Através de um estudo que incluía medir os impulsos elétricos dos olhos, foi possível desenvolver a lente gelatinosa que é impulsionada pelos movimentos oculares

Por: - 1 mês atrás

Lente de Contato com Zoom

Já imaginou a possibilidade de possuir um zoom focal em seus olhos? Claro, a funcionalidade seria parecida com a câmera do seu celular, só que no caso, você apenas piscaria duas vezes e, pronto! Poderia ver o alvo de seu olhar, ali, bem pertinho! E se a gente te contasse, que agora, uma lente de contato com essa função já existe? Pois é, essa é a mais nova criação de cientistas da Universidade da Califórnia.

Produção elétrica dos olhos

Através de um estudo que incluía medir os impulsos elétricos dos olhos foi possível desenvolver a lente gelatinosa que é impulsionada pelos movimentos oculares. Segundo os cientistas, o olho possui um potencial eletro-oculográfico.

Pois saiba que, mesmo quando dormimos, nossos olhos são capazes de produzir estímulos elétricos. Com os materiais leves aos quais a lente é composta, é possível alterar a distância focal em até 32%. Tudo isso através de um processo de deformação do material.

Você não está lendo Neuromancer, nem vendo um filme espião

Isso parece ficção cientifica? Quem lê a coluna de experiência da Consumidor Moderno, com frequência, sabe que sempre trazemos referências do mundo cinematográfico. Aqui podemos citar algumas séries que foram profetas dessa tecnologia: Altered Carbon, da Netflix, homônima do livro dos anos 2000, já mostrava corpos alterados com a capacidade de modificar a visão. Black Mirror, série mais recente, trouxe coisas bem parecidas, como lentes que, além de zoom, possuíam armazenamento de memória.

Agora você vai pensar “É, isso não parece tão ficção assim”. Pois é, além disso, os cientistas que desenvolveram o estudo em cima da lente, disseram que será possível usá-las em óculos ajustáveis e câmeras controladas apenas pelos olhos. Parece que o futuro chegou!

Inovação ou corrida científica?

Apesar de parecer uma grande novidade,  projeto semelhante já estava em desenvolvimento na Suíça. Em 2015, o Instituto Federal Suíço de Tecnologia trabalhava na tecnologia. Porém parece que os americanos chegaram à frente.

Ao pensar na capacidade elétrica dos olhos, podemos também imaginar quais tipos de tecnologia serão desenvolvidas daqui em diante. Se as previsões fictícias continuarem se afirmando desta forma, teremos câmeras oculares, telas digitais privadas para nossos olhos e até escaneamento de QR Code.

LEIA TAMBÉM: 
Isso é muito Black Mirror: Elon Musk anuncia “chip cerebral”

11 Empresas globais e os principais cases de inovação

Saiba tudo sobre o universo das STARTUPS e da INOVAÇÃO