Lixo eletrônico: o que é e onde descartar?

Onde jogar a televisão ou o celular sem uso? Esses resíduos têm local certo para serem descartados e dispensados sem causar prejuízos ao meio ambiente

Crédito: Unsplash

Quando uma televisão para de funcionar ou simplesmente um novo modelo é comprado, o consumidor, simplesmente, a joga fora. A lâmpada do quarto queima e você a substitui por uma nova para não ficar no escuro. O aparelho eletrônico ou eletrodoméstico pifa e se compra outro. Essas situações são rotineiras e todas elas levam a algo em comum: produzimos lixo eletrônico e não o descartamos corretamente.

Esses resíduos têm local certo para serem descartados e dispensados, sem causar prejuízos ao meio ambiente. Os produtos sem uso não podem ser rejeitados no lixo comum, por isso, os estabelecimentos que os vendem devem oferecer local apropriado para o descarte correto.

O perigo no descarte errado desses materiais está na poluição que podem gerar ao meio ambiente, além de acidentes durante o manuseio por profissionais coletores de lixo. O lixo eletrônico pode poluir o meio ambiente por meio do vazamento de substâncias químicas perigosas, que chegam aos lençóis freáticos e prejudicam aqueles que recolhem manualmente as partes recicláveis desse descarte.

Os comércios que vendem pilhas e baterias ou produtos semelhantes funcionam, geralmente, como um ponto de entrega primário. Os comércios devem possuir recipientes para que a população possa depositar os materiais.

O BRASIL PRODUZ 1,5 TONELADA DE E-LIXO POR ANO
APENAS 3% É RECOLHIDO

O Brasil é o líder na América Latina na produção de lixo eletrônico, posição que nenhum lugar gostaria de estar. Segundo estudo da Global e-Waste Monitor realizado pela Organização das Nações Unidas (ONU), o país produz 1,5 tonelada de e-lixo por ano. Apenas 3% dele é recolhido de maneira adequada.

Os equipamentos têm uma composição química com substâncias altamente tóxicas ao meio ambiente e sua decomposição pode trazer muitos prejuízos à saúde humana.

O que é lixo eletrônico ou e-lixo?

O lixo eletrônico, também conhecido como e-lixo, é composto por produtos que não têm mais valor por falta de utilização, substituição ou quebra. A categoria inclui “produtos da linha branca”, como refrigeradores, máquinas de lavar e microondas, além de computadores, celulares, tablets, drones, pilhas, baterias, cartuchos e toners.

O destino dos resíduos virou um desafio planetário. O Brasil é detentor do título de sétimo maior produtor de lixo eletrônico do mundo, ficando atrás de China, Estados Unidos, Japão, Índia, Alemanha e Reino Unido, respectivamente.

Perigos

Os aparelhos devem ser reciclados de forma cuidadosa por pessoas especializadas. Caso contrário, o risco de contaminação para o meio ambiente e perigo à saúde humana são altos.

Países em desenvolvimento como a Índia e a China, quarto e primeiro lugar na produção de lixo no mundo, apresentaram um crescente corpo de evidências epidemiológicas e clínicas ligando o alerta vermelho a ameaça do lixo eletrônico.

Política

O governo brasileiro criou, em 2010, a Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei nº 12.305/10). Segundo a lei, os fabricantes, distribuidores, comerciantes, consumidores e os titulares dos serviços públicos de limpeza devem tomar medidas para minimizar o volume de resíduos gerados e instituir uma cadeia de recolhimento e destinação ambientalmente adequada pós-consumo.

O descarte de resíduos eletrônicos passou a ser um dos principais desafios ambientais enfrentados pelas companhias de tecnologia, por isso algumas marcas criaram formas de implementar a logística reversa. A proposta é diminuir o impacto do e-lixo ao realizar a análise e o desmonte desses resíduos.

A fabricante ficaria responsável por separar os componentes, além de garantir a destinação adequada de cada um deles, como enviar para reciclagem ou até encaminhar para aterros especiais.

LEIA TAMBÉM

Aplicativos para um consumo mais consciente
Estudo aponta que agricultura orgânica pode alimentar população inteira
Empresa brasileira desenvolve linha de produtos de limpeza biodegradável






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS