É permitido diminuir a quantidade de um produto e ainda manter o preço original?

Esta semana, a Consumidor Moderno falou sobre a polêmica entre a marca OMO e os seus consumidores. Quem está certo? Veja na coluna da Cláudia Silvano

Crédito: Shutterstock

Esta semana, a marca OMO foi alvo de críticas de consumidores nas redes sociais. O problema, na visão dos internautas, seria uma informação presente na embalagem onde se lê: 800 gramas = 1 quilo. Nas páginas no Facebook e Twitter da marca, diversos clientes disseram que a empresa diminuiu a quantidade do produto, mas manteve o preço. Muitos clientes se sentiram lesados e afirmaram que não usariam mais o produto da marca. Mas será que eles têm razão?

ENTENDA A POLÊMICA: OMO é alvo de críticas de clientes por informação na embalagem

Na coluna desta semana, Cláudia Silvano, diretora do Procon Paraná, fala sobre o assunto e adivinhe: essa prática é permitida, sim. No entanto, existe uma regra para o uso dessa relação entre preço e quantidade de produto. Veja:

 

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS