A transformação digital no setor de cobrança

Cobrar uma dívida do consumidor nunca foi um processo fácil. Agora, o desafio é ainda maior em meio a um intenso processo de transformação digital. Esse foi o ponto de partida do Simpósio de Cobrança Digital

Por: - 2 meses atrás

transformação digital Crédito: Douglas Lucenna

Todo e qualquer setor da economia vive às voltas com um forte processo de transformação digital e isso não é uma exceção entre as empresas especializadas em recuperação de crédito no Brasil.

Em um passado não muito distante, o atendente de call center era o responsável por cobrar um determinada débito. Hoje, essa é apenas mais uma tarefa de um robô que, por sua vez, promete ser mais eficiente que os humanos. Mas será mesmo?

Cobrar uma dívida nunca é uma tarefa com uma alta carga emocional. Robôs podem ser altamente eficientes em cobrar o maior número de endividados, mas dificilmente irão pedir para um consumidor se acalmar, pois não possui o dinheiro para quitar o débito. Humanos são menos eficientes mas, por outro lado, possuem a peculiaridade da flexibilidade emocional e escoam diálogos por escaninhos menos matemáticos e mais passionais.

LEIA TAMBÉM

Atento usa robô com inteligência artificial para identificar nível de estresse nas ligações

Em outras palavras, no mundo de hoje, não se pode abrir mão de máquinas e de humanos. Esse foi o ponto de partida do Seminário de Cobrança Digital, uma iniciativa do Grupo Padrão. 

A abertura do evento coube a Jacques Meir, diretor executivo de conhecimento Grupo Padrão. Em sua fala, ele destacou o processo de transformação digital, não necessariamente um processo exclusivamente tecnológico.

Na verdade, isso também é um processo de redescobertas das nossas humanidades. Acima de tudo, é preciso construir um modelo que seja híbrido. “É preciso que as empresas tenham uma visão híbrida entre tecnologia e o fator humano. Isso é lógico porque o contato é sempre com um humano”, afirma.

Fotos: Douglas Lucenna

Painel: transformação digital em cobrança

Após a abertura, o primeiro painel abordou justamente esse processo de transformação digital e o seu impacto na cobrança. Mediado por Gabriella Sandoval, editora-chefe da revista Consumidor Moderno, o painel procurou abordar o momento desse processo e, por fim, qual o futuro reservado para esse importante braço para o setor de relacionamento com o cliente. 

Célio Lopes, diretor de Serviços Financeiros da Lojas Marisa, destacou a importância do uso de dados digitais na busca por um perfil preciso do seu consumidor – o que, evidentemente, inclui a melhor forma de abordar um cliente com um débito. Para tanto, é preciso “perfilar” o consumidor por meio das análises prescritiva e preditivas. 

Em linhas gerais, a análise prescritiva ocorre quando as empresas podem obter recomendações inteligentes para otimizar os próximos passos de sua estratégia. Já a análise preditiva ajuda a criar uma estratégia mais efetiva baseada em dados.

“O comportamento prescritivo é muito importante para o universo da cobrança, pois impacta bastante o nosso negócio. Esse tipo de análise ajuda a manter o cliente por mais tempo”, afirma.

Mylena Maurutto, vice-presidente da Lendico, explicou que a companhia se notabilizou pelo uso de diversas tecnologias na hora de oferecer o crédito ao consumidor. No entanto, isso não necessariamente fez a empresa compreender com exatidão sobre o tomador do empréstimo. E isso ficou evidente quando a empresa começou a desbravar novos mercados no Brasil. 

“Nos últimos anos, ocorreu uma mudança importante no mercado consumidor do Nordeste, o que criou um desafio na cobrança do crédito. É algo totalmente diferente, por exemplo, de uma abordagem feita em outros mercado.

Paralelamente a isso, a própria a área de atendimento mudou. No passado, todos os escritórios tinham postos de atendimento. De repente, vimos tudo isso ser desmontado e as posições de atendimento humanas sumiram”, disse Marutto.

Se todas essas mudanças já deixaram o setor de cobrança de ponta cabeça, imagina atender modelos de negócios que mudam constantemente, como é o caso de telecomunicações.

Thales Freitas, diretor de transformação digital da Sky, explicou que empresas que oferecem um serviço de uso contínuo vivem constantes dilemas em seus negócios.

Afinal, a oferta de TV por assinatura não obedece a uma regra matemática onde “quem paga, tem”. É preciso atenção e cuidado para entender o melhor momento para a abordagem com o cliente, evitando ao máximo a possibilidade de interrupção de um sinal.  Ou alguém gostaria que o serviço fosse suspenso no dia do último episódio da série favorita?

“O nosso negócio tem nuances com suas peculiaridades de um serviço recorrente. Ele pode estar inadimplente e o sinal é interrompido justamente no dia do último episódio. Quem lida com a cobrança precisa entender esse tipo de contexto. É um desafio lidar com esse tipo de situação”, afirma Freitas.

E o futuro?

O futuro do setor passa por justamente diminuir as distâncias entre novas tecnologias e pessoas, o que, inevitavelmente, vai mudar o jeitão de realizar uma cobrança de dívida. Nesse sentido, o caminho é usar algoritmo com uma generosa dose de pitada humana.

Segundo Freitas, é preciso construir um gerenciamento das interações dos clientes em todos os canais. Isso implica em entender qual o canal preferido do consumidor para um determinado fim. Afinal, na hora de pagar uma dívida, o cliente prefere um chat online ou faz uma ligação para a companhia?

“Hoje, por exemplo, existe um aplicativo que gerencia todas as suas dívidas. Você se associa a ele e, então, é informado sobre os débitos e quando eles vencem. Nele, o consumidor é quem tem o controle de tudo por meio de um plataforma”, contou.

De fato, tecnologia deve ser o meio para um consumidor empoderado. É o que afirma José Moniz, head de negócios digitais da Negocia Fácil (MFM), que explica que a grande inovação do setor é a mudança cultural no jeito de cobrar um débito – algo que a empresa já vem realizando e com bons resultados.

“Paramos de falar a palavra negativação. Agora, usamos oportunidade e isso foi o ponto de mudança na empresa. Em 2018, nós dobramos a operação na comparação com 2017. É importante desenvolver uma nova relação com o consumidor”, afirma.

E por que usar essa nova linguagem? Porque, afinal, cobrança também tem o poder de gerar um valor para a empresa.

“Não faz muito tempo e nós fizemos uma campanha de fidelidade com uma grande quantidade de adesão de clientes. A ideia é que um percentual do nosso programa de fidelidade seria usado para ajudar o inadimplente a quitar a sua dívida. Foi um sucesso. O importante aqui é pensar diferente”, disse.