Apple TV+ e sua entrada de peso na guerra do streaming

A gigante de tecnologia chega com elenco “explosivo” e atrações que prometem mexer com a concorrência

Durante muito tempo o serviço mais popular de streaming de entretenimento em vídeo com séries, filmes e programas televisivos foi a Netflix. É claro que o Youtube sempre esteve ali como uma plataforma exclusiva para vídeos curtos feitos para a internet. E o que mudou?
Nos últimos anos, o império soberano da gigante de streaming ficou abalado. Nos Estados Unidos, concorrentes de peso como Amazon Prime Video e Hulu dispararam na frente na corrida pelo domínio no setor.
E como tudo que é bom dura pouco, agora é a vez da Apple entrar na briga com o lançamento da Apple TV +. Sem falar na aguardada chegada do Disney +, que promete tirar da programação dos concorrentes inúmeros filmes e animações com a bandeira da companhia.
Para se ter ideia a Apple investiu cerca de US$ 6 bilhões na produção de conteúdo original para o novo serviço de streaming que estará disponível inicialmente, apenas no aplicativo nativo dos dispositivos Apple, o Apple TV, em todo o mundo.
Vale lembrar que essa é a mesma estratégia utilizada para o serviço de streaming musical da empresa, o Apple Music que, inicialmente só era acessível pelo app Música dos iPhones e iPads, enquanto no desktop era preciso ter o iTunes instalado. Desta forma, é possível integrar a biblioteca de conteúdos anteriormente comprados nas lojas oficiais da Apple ao catálogo do que se encontra no streaming.

DESAFIOS

Assim como a Amazon, a Apple parece focar seus investimentos em produções de alta qualidade. Até agora, as séries anunciadas só trazem nomes da lista A de Hollywood.
O carro-chefe do serviço é a série “The Morning Show” estrelada por ninguém menos que Jennifer Anniston, Reese Whiterspoon e Steve Carrell. Nas outras atrações será possível encontrar ainda nomes como Jennifer Garner, Octavia Spencer, Jason Momoa, Brie Larson, Chris Evans e Rupert Grint.

LEIA TAMBÉM: Netflix estaria em crise?


Mesmo com nomes de peso nas produções originais que competem em séries e filmes, o maior deles vem em formato de talk show. Tanto é que a Apple traz junto a seu serviço o novo programa de Oprah Winfrey, maior apresentadora do formato nos EUA. A estratégia é parecida com a adotada pela Netflix, que trouxe David Letterman e Chelsea Handler em uma nova roupagem do programa de entrevistas.

Apple TV+ chega em um mercado acirrado

A briga se aquece com a chegada do Disney+ que estreia em novembro. O serviço da empresa trará todas as produções da Marvel – antes parte integrante do catálogo da Netflix. Algumas, inclusive, eram líderes de audiência na plataforma.
O serviço também contará com todas as produções originais Disney e muito conteúdo exclusivo. É claro que a plataforma trará seu conteúdo infantil, um dos grandes atrativos para os pais e o público consumidor das séries, filmes e desenhos do Disney Channel.
Bom lembrar que o Hulu, serviço extremamente popular em terras americanas, tem 60% de sua propriedade pertencente a Disney.

Elenco do AppleTV+

Elenco das produções do AppleTV+ – Foto: Divulgação


Amazon e Apple saem na frente com gadgets próprios que possuem plena integração com seus serviços de streaming e também permitem a instalação de Netlifx, Hulu e outros.
O Fire Stick da Amazon, por exemplo, é um pen drive HDMI com controle remoto com diversas atrações a qualquer TV que possua a entrada e a Apple TV, um box que traz o conteúdo da iTunes Store, programas de TV a cabo, aplicativos da App Store e agora, Apple Music e Apple TV+.
Nos Estados Unidos, o Hulu é alavancado pela vasta programação televisiva que possui em seu catálogo, sem falar de séries hit como Handmaid’s Tale.

Estratégias para se manter relevante

Enquanto a Netflix tem investido cada vez mais em conteúdo próprio, a Amazon preza por produções com curadoria de grandes diretores, filmes e séries cult. Outra mudança da Netflix é a implantação de uma sessão chamada “Em breve” nos aplicativos das televisões. Tudo isso para manter sua base de clientes; pois ao pensar em cancelar, o usuário veria os próximos acontecimentos das séries que mais assiste e, em tese desistiria de fechar sua conta ou ir para outro serviço de streaming.
O panorama mostra que esse é um universo em expansão contínua. Podemos esperar que outras empresas de tecnologia entrem na batalha? É o começo de uma nova era no universo do streaming?


+ NOTÍCIAS

Qual o futuro da Apple?
Disney anuncia a criação de sua plataforma de streaming
Amazon, Apple e Google são as empresas mais valiosas do mundo
Apple lança cartão de crédito com programa de cashback


MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS
Publicidade sidebar

Vídeos

VEJA MAIS

Revista Consumidor Moderno

VEJA MAIS