Walmart adiciona restrições à sua política de armas após massacres

Participação da empresa na venda de munições nos Estados Unidos pode cair até 9%. Decisão foi tomada um mês após dois massacres em lojas do varejista

Foto: Unsplash

O Walmart, maior varejista do mundo, anunciou a interrupção das vendas de munição de fuzis de cano curto nos Estados Unidos. Os produtos deixarão de ser vendidos assim que o estoque acabar. Esse tipo de munição é comumente usado em rifles de caça.

Além disso, a rede deixará de vender revólveres no Alasca. O movimento marca a saída de vez do Walmart das vendas de revólveres em todo o país norte-americano.

A nova política da empresa foi adotada um mês depois de dois ataques contra duas de suas lojas nos Estados Unido. Um deles aconteceu em Southaven, no Missisipi, quando duas pessoas foram mortas. E outro foi em El Paso, no Texas, em um massacre que causou a morte de 22 pessoas.

“Sabemos que essas decisões incomodarão alguns de nossos clientes e esperamos que eles entendam”, disse Doug McMillon, CEO do Walmart, em comunicado.

“Como empresa, experimentamos dois eventos terríveis em uma semana e nunca mais seremos os mesmos. Nosso sortimento restante será ainda mais focado nas necessidades dos entusiastas da caça e do esporte. Incluirá rifles de cano longo e espingardas, grande parte da munição de que necessitam, além de acessórios e roupas para caça e esporte. ”

Com a ação, o Walmart espera que sua participação no mercado de munições diminua entre 6% e 9%. Hoje, a rede concentra 20% das vendas de munições nos Estados Unidos.


+ WALMART
Walmart fecha parceria com BuzzFeed e cria receitas “compráveis”
Farmácias de Walmart e Sam’s Club usam sistema que ajuda deficientes visuais

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

Vídeos

VEJA MAIS

Revista Consumidor Moderno

VEJA MAIS