Pesquisa revela que jovens apoiam marcas que dão suporte à música

Estudo da FLOW Creative Core ouviu jovens de 14 cidades brasileiras para listar os novos hábitos de consumo de música

Crédito: Unsplash

Jovens apoiam marcas e empresas que dão suporte à música. Esse foi um dos resultados de uma pesquisa da startup FLOW Creative Core sobre os novos hábitos da geração no Brasil. Cerca de 500 jovens – a maioria entre 25 e 30 anos – em 14 cidades brasileiras, foram entrevistados pelo estudo.
Um dos índices mais importantes revelados pela pesquisa foi o apoio dos jovens às marcas que dão suporte à música, com 46% da opinião dos entrevistados.
“Para as marcas, além de ser um bom investimento, a música é uma forma de se comunicar mais profundamente com o consumidor, de transmitir seu posicionamento, identidade e se conectar com o público. Do ponto de vista do consumidor, as marcas que apoiam e se expressam através da arte e da música acabam passando uma mensagem mais autêntica e valorizando os assets que o consumidor se identifica e respeita”, explica Juliana Laguna, da FLOW Creative Core

Consumo de música

Os grandes festivais começam a perder espaço entre os jovens. Não à toa 36% deles preferem shows em formatos intimistas. O índice reforça o crescente movimento de apresentações em lugares pequenos, para poucas pessoas, que virou tendência no país através de iniciativas como o Sofar Sounds.
“Os shows em formato intimista, com o público sentando no chão, assistindo em silêncio, e as performances dos artistas de 20 minutos despertam um novo comportamento”, reforça Dilson Laguna, da FLOW.
Com relação ao consumo, 43% dos jovens pagariam entre R$20 e R$40 por um show de artista novo nacional e 29% gastam menos de R$50 por mês com música, incluindo serviços de streaming, como Spotify.
Já sobre compartilhamento de música, 48% dos entrevistados disseram que estão sempre à procura de bandas novas e 43% compartilham com os amigos as que descobrem. Para 52% dos participantes, o meio mais usado para o compartilhamento é o aplicativo Whatsapp.

Metodologia

Entre os pontos abordados na pesquisa estão Consumo, Formato, Pesquisa e Compartilhamento, além da presença de marcas em eventos onde a música é protagonista.
“A música está voltando a ser um mercado muito lucrativo com os novos formatos de streaming e toda a mudança que a indústria tem sentido nos últimos anos”, explica Juliana.


+ NOTÍCIAS

Casa Natura Musical estreia plataforma de arte digital gratuita
Spotify abre casa musical para mulheres em São Paulo

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS