Como grandes empresas escolheram seus nomes?

Estudo, brincadeira ou acaso? Conheça as histórias por trás das nomenclaturas de grandes marcas nacionais e internacionais

Por: - 4 semanas atrás

Foto Unsplash

Criar um nome para um empreendimento não é uma tarefa fácil. Escolher um simples termo que carregue toda a cultura da marca, de modo simples, curto, memorável e, pior: que não tenha sido usado anteriormente, pode acabar se tornando uma verdadeira epopeia para o empreendedor moderno.

LEIA TAMBÉM: Além do delivery! O que as pessoas pedem na Rappi?

De onde vieram os nomes das empresas grandes e influentes no mundo? Foram escolhidos de forma meticulosa, ou foram meros acidentes? Talvez uma homenagem a algum local, pessoa ou situação? Para matar essa curiosidade, separamos uma lista com as etimologias de alguns nomes de empresas e as histórias fascinantes que carregam por trás. Confira:


GOOGLE

O nome da empresa mais influente do mundo veio de um termo matemático, usado para designar o número 1 seguido de 100 zeros: Googol. Seria uma brincadeira com a quantidade de informações contidas no mecanismo de pesquisas que estava sendo desenvolvido. Contudo, o investidor-anjo da empresa assinou o nome “Google” por engano em um cheque, e essa nova nomenclatura acabou pegando.


APPLE

Steve Jobs revelou em sua biografia que o computador desenvolvido por sua equipe estava recebendo nomes bastante caretas como sugestão, como “Matrix Eletronics” e “Executek”, por exemplo, e ele estava completamente insatisfeito com isso. Por gostar muito de maçãs, Jobs sugeriu Apple Computers, que seria muito mais espirituoso e minimalista, e como ninguém mais sugeriu qualquer outra coisa até o final daquele expediente, o nome foi designado. Jobs contou, também, que “Apple” colocaria a empresa em frente à Atari na lista telefônica – ele havia trabalhado na Atari anteriormente, e queria estar na frente.


AMAZON

Assim como Steve Jobs, Jeff Bezos – fundador da empresa – queria que seu novo negócio começasse com a letra “a”, para aparecer no topo das listas alfabéticas. Bezos achou uma boa ideia usar o nome do maior rio do mundo – o Amazonas – nesta titulação, dando a entender que o tamanho de sua empresa seria, também, imensa em termos globais. Ele estava certo.


STARBUCKS

Starbucks era o nome de um personagem do clássico da literatura Moby Dick. Inicialmente, a empresa iria se chamar Pequod, o nome do navio-baleeiro do mesmo livro, mas o consultor da marca citou um estudo que mostrava que nomes que começam com “St” tendiam a ser poderosos. Mais tarde, ao observar um mapa, o fundador viu uma cidade chamada Starbo, e se lembrou do personagem do livro e da conversa com o consultor. Estava decidido o nome da empresa, que viria a se tornar a maior referência em cafeterias em todo o mundo.


TWITTER

O nome do projeto de microblog veio da própria palavra inglesa “twitter” que significa “gorjeio”, os sons que pássaros usam para se comunicar. Inicialmente, o nome deveria ser “Twttr”, inspirado na tendência do “Flickr”, mas foi simplificado para fins comerciais.


LEGO

É a fusão de duas palavras dinamarquesas, “leg” e “godt”, que significam, literalmente, “brincar bem”.


PEPSI

O nome vem da palavra grega de mesma pronúncia, que significa “digestão”. A ideia era apresentar uma bebida no estilo ‘cola’ que não apenas fosse gostosa, mas também – supostamente – mais saudável, energética e digestível do que as da concorrência.


HOTMAIL

Ao desenvolver o servidor de email, os criadores queriam encontrar um nome que terminasse com “mail”, e tiveram a ideia de juntar as letras que compõem “HTML” (uma das principais linguagens de programação) a ele, dando vida ao “Hotmail”. Hot, nesse sentido, em inglês, traz a ideia de novidade, algo inédito e que está “bombando”.


SONY

A corporação japonesa queria um nome que soasse bem no ocidente, e que pudesse ser escrito com letras romanas. “Sony” foi escolhido por unir a palavra “sonus”, que significa “som” em latim, e “sonny”, gíria usada no Japão na década de 50 para se referir a jovens inteligentes.


ASUS

A Asus pegou o seu nome do Pegasus, cavalo alado da mitologia grega que sobe a grandes alturas no céu, em altas velocidades. Os criadores queriam levar esse conceito à cultura dos produtos que estavam sendo desenvolvidos pela marca, e optaram por remover a primeira parte da palavra para ter um melhor posicionamento em listas alfabéticas.


SPOTIFY

Os fundadores da empresa, Daniel Ek e Martin Lorentzon, estavam fazendo uma rodada de brainstorming para decidir o nome da startup, e algum deles gritou “Spotify” aleatoriamente. Eles gostaram de como o nome soava, e como o domínio estava disponível para uso, acabaram registrando o nome. Hoje em dia, costumam associar a ideia à junção de “Spot” e “Identify” (“local” e “identificar”, respectivamente).


VIRGIN

O nome de um dos maiores conjuntos de empresas do mundo surgiu, curiosamente, porque seus fundadores se sentiam completamente “virgens” no mundo dos negócios, quando começaram. Inicialmente, a empresa era apenas uma loja de discos, que mais tarde virou gravadora e hoje lança foguetes no céu.


IKEA

O nome da empresa dos móveis impronunciáveis tem uma origem simples: são as iniciais do nome de seu fundador, Ingvar Kamprad, soletradas em inglês, e que também formam o som, em sueco, das primeiras letras da vila onde ele nasceu: Elmtaryd Agunnaryd.


ORACLE

Inicialmente, a empresa de desenvolvimento de software se chamava Software Development Laboratories, e “Oracle” era o nome de um projeto que seus fundadores estavam desenvolvendo para a CIA. Esse projeto misterioso se tratava de um banco de dados que era capaz de responder qualquer pergunta, sobre qualquer coisa, como um verdadeiro oráculo. Como o produto veio a se tornar o carro-chefe da empresa, o nome foi alterado, para uma melhor relação de marketing.


PETROBRÁS

É a simples junção de “petróleo” e “Brasil”, com a intenção de dizer que o petróleo é propriedade desta nação. Tem forte ligação com a mobilização popular das décadas de 40 e 50 em defesa do monopólio estatal do petróleo, que tinha como máxima “O petróleo é nosso”.


ANTARCTICA

Antes de entrar para o setor de bebidas, a Antarctica era uma fábrica de gelos, que posteriormente foi adquirida por um cervejeiro alemão. O nome foi dado em homenagem ao passado da fábrica, fazendo referência ao continente gelado e seus pinguins.


BRAHMA

Em 2017, um líder hindu causou polêmica no Brasil ao solicitar à Ambev que a cerveja “Brahma” tivesse seu nome alterado, por ser desrespeitoso à sua cultura e religião, cuja figura do Deus Brahma é sagrada. Contudo, a marca veio à mídia explicando que o nome não se trata de uma referência à espiritualidade hindu, e sim uma homenagem ao inglês Joseph Bramah, inventor da válvula de chopes. Como Joseph já havia registrado uma marca com seu sobrenome, a empresa brasileira apenas reposicionou a letra “h” para compor uma nomenclatura original.


HERING

É a palavra alemã que significa arenque, os dois peixes que são visíveis no logo, e simbolizam os dois irmãos que fundaram a empresa: Bruno e Hermann Hering.


MAGAZINE LUIZA

A gigante do varejo nacional recentemente incorporou uma identidade mais moderna à sua marca, a “Magalu”, para se tornar íntima com os consumidores. De qualquer forma, a empresa sempre teve a intenção de fazer o cliente se sentir parte da família, já que seu nome deriva de Dona Luiza Trajano Donato, a fundadora da Magazine Luiza.


+ NOTÍCIAS

Ranking elenca os países com a Coca-Cola maiscara. Brasil está em 43º
As marcas mais amadas do Brasil: conheça o top 10
Pesquisa mostra que marcas de cerveja não fazem boa comunicação com as mulheres
Imagem x realidade: o que as marcas estão transmitindo?