Estudo aponta que o fracasso de hoje é o sucesso de amanhã

Pesquisadores da Universidade Northwestern afirmam que passar por uma frustração no início da carreira leva à um sucesso muito maior que o esperado

Um estudo feito pela Kellogg School of Management da Northwestern University, localizada nos Estados Unidos, estabeleceu uma relação entre o fracasso e o sucesso. A taxa de atrito aumenta para aqueles que falham no início de suas carreiras, afirma o autor principal da pesquisa, Yang Wang.
Através de análises avançadas entre a relação da falha e o sucesso para jovens cientistas, eles apontaram, em contraste com suas expectativas iniciais, que passar por uma frustração no início da carreira leva à um sucesso muito maior que o esperado a longo prazo.
“Aqueles que se destacam, em média, têm um desempenho muito melhor a longo prazo, sugerindo que, se não o mata, realmente o fortalece, explica o especialista.

Como o estudo foi feito?

Os pesquisadores analisaram registros de cientistas no início de suas carreiras, entre 1990 e 2005. Eles utilizaram as pontuações de avaliação para separar os indivíduos em dois grupos: (1) intitulados como “near miss” e (2) como os “just made it “.

Os pesquisadores consideraram quantos artigos cada grupo publicou, em uma média de 10 anos, e quantos desses trabalhos foram acertos, conforme determinado pelo número de citações que esses artigos receberam. A análise revelou que os indivíduos do grupo (1) receberam menos financiamento, mas publicaram tantos documentos e mais artigos de sucesso do que os indivíduos do grupo (2).

Os pesquisadores ainda descobriram que os indivíduos do grupo de financiamento near-miss eram 6,1% mais propensos a publicar um artigo de sucesso nos próximos 10 anos, em comparação com os cientistas do grupo recém-criado.

“O fato de o grupo near miss ter publicado mais artigos de impacto do que o grupo just made it é ainda mais surpreendente quando você considera que o grupo just recebeu dinheiro para promover seu trabalho, enquanto o grupo near miss, não”, expõe Benjamin Jones, co-autor do estudo e professor de empreendedorismo da Gordon and Llura Gund Family em Kellogg.

Há valor no fracasso!

Os pesquisadores ainda se perguntaram se o efeito poderia ser atribuído a um fenômeno de “eliminação”. Uma análise mais aprofundada revelou que, embora a taxa de atrito após falha fosse 10% maior no grupo de quase acidentes, isso por si só não poderia ser o maior sucesso posteriormente em suas carreiras.
Acontece que, historicamente, embora tenhamos sido bem-sucedidos em identificar os benefícios do sucesso, não conseguimos entender o impacto do fracasso, disse Dashun Wang,  co-autor e professor de administração e organizações da Kellogg.
Depois de testar várias outras explicações possíveis para o sucesso a longo prazo do grupo de near miss, os pesquisadores não conseguiram encontrar nenhuma evidência de suporte para suas hipóteses. Desta forma, a pesquisa propõe um caminho complementar: Há valor no fracasso, ressalta Dashun.


LEIA MAIS 

Estudo aponta que Geração Z é a mais criativa até hoje

Austrália é o país com a maior longevidade da população, diz novo estudo

Deslealdade a produtos, lojas ou marcas atinge 95% dos brasileiros


 






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS