Testamos a Alexa em Português

Testamos o o recém-lançado Echo, da Amazon, que já está disponível no Brasil. Será que vale a pena?

A Alexa, da Amazon, chegou em sua versão abrasileirada há alguns dias por aqui. E isso já não é mais novidade. Tanto é que uma campanha massiva foi levantada pela empresa nas mídias tradicionais e online para anunciar a versão brazuca de seu famoso assistente – que vem embarcado nos dispositivos Amazon Echo em três versões: Echo, Echo Dot e Echo Show 5.

Para saber como é o funcionamento da assistente de voz em português fizemos o teste de suas diversas possibilidades de comandos, desconsiderando os dispositivos extras de smarthome (tomadas e lâmpadas inteligentes). Será que vale a pena investir no modelo?

O modelo testado é o Echo Dot, que possui apenas a função de voz e não tem uma tela como o Echo Show 5.

Quando se liga o dispositivo é preciso ter o aplicativo “Alexa” para Android e iOS instalado. Através dele é possível conectar seus calendários pessoais, serviços de streaming e contatos.

Teste prático

Obviamente, como descrito na caixa do produto, as integrações mais fáceis acontecem com os serviços de streaming de música.

Ao pedir a primeira canção, a assistente anuncia que você “acaba de ganhar um período grátis” no Amazon Music Unlimited – versão com 50 milhões de músicas do Amazon Music para assinantes.

Caso você não sincronize nenhum serviço de música no app, você será condicionado a usar o serviço nativo automaticamente.

Os comandos funcionam de forma fluída: basta pedir a música pelo nome que, em alguns casos, ela toca sem precisar saber qual o artista.

No entanto, tivemos dificuldades em encontrar algumas canções por conta da pronuncia ou da velocidade da fala.

Também é possível conectar seu serviço favorito de notícias, como UOL, G1 e CBN, por exemplo. Ao pedir para ouvir as notícias do dia, um resumo pré-gravado é reproduzido.

Para quem gosta do ao vivo, o app TuneIn Radio já vem embarcado no dispositivo com rádios nacionais e internacionais. Funciona de forma bem simples: “Alexa, quero ouvir a estação Jovem Pan FM no TuneIn”. Pronto, em poucos segundos a programação começa.

Funções para o cotidiano

No entanto, as funções que merecem destaque incluem os skills e atalhos da assistente. É possível configurar uma série de ações para quando for dormir ou acordar. Por exemplo: ao dizer “bom dia, Alexa”, funções como calendário, notícias e clima local podem ser reproduzidos de acordo com sua escolha.

A pesquisa também é muito simples. “Alexa, o que é um trava-línguas?”. A assistente foi rápida e precisa em trazer a definição da palavra no dicionário. Dentre outras pesquisas que testamos estão as idades de figuras públicas, dados históricos e geolocalização.

Também é possível adicionar itens ao seu carrinho da Amazon. Caso algum deles esteja na assinatura prime e outro não, é preciso acessar o app ou site da loja para finalizar a compra.

O processo mais “seemless” é a lista de desejos ou de tarefas. Basta criar uma com o auxílio da assistente e ordenar qualquer comando para adicionar itens.

Adaptabilidade

Apesar do uso simples e de responder aos comandos de forma precisa, a assistente ainda não parece totalmente pronta. Em alguns comandos simples como por exemplo “marque esta música como minha favorita” ou “eu gostei disso”, a resposta se resumia em “só é possível marcar músicas de estações personalizadas” e em algumas pesquisas simples da web, a assistente não mostrou resposta alguma, apenas reproduziu que não sabia o suficiente sobre o assunto.

De qualquer forma, o uso não é afetado por algumas faltas simples em seu desenvolvimento. É possível conversar em inglês com a assistente de voz, mesmo configurada para o idioma nativo do Brasil. Ela também responde a outras vozes, mas só revela a lista de tarefas ou calendário caso ouça a voz do usuário que a configurou.

Integração

Ao contrário da Apple, todos os dispositivos da Amazon são bem abertos para outros dispositivos e serviços. É possível usar o Echo Dot como caixa bluetooth, alarme e até mesmo pedir para reproduzir séries no Amazon Prime Video, Netflix, AppleTV+ e Rakkuten, caso você possua um Fire Stick.

O único ponto negativo vai para a comunicação. Qualquer caixa bluetooth básica opera ligações em alto falante, claro, sem comando por voz. Mas a Alexa apenas pode ligar para quem tem outro dispositivo Echo ou o app instalado no celular. Um feature importante que não conseguimos utilizar com facilidade.

Overall

No fim, é possível entender o propósito da assistente. Para pessoas com uma agenda atribulada, é o gadget perfeito. Um Echo Dot ou Echo já resolvem a questão. Para usos que incluam vídeos e séries, um Echo Show 5 talvez atenda melhor as necessidades. O melhor de toda a história é que atualizações e melhorias são automáticas através da inteligência artificial.

Pela integração básica aparente com dispositivos como o celular pelo wi-fi, já dá pra ter uma noção de que uma transformação inteligente na casa funcionaria de forma fácil e fluída.

É um ótimo dispositivo para quem gosta de música, notícias e não quer perder nenhum compromisso – de forma prática, enquanto se arruma para sair de casa sem precisar sacar o celular.

A comunicação ainda é um ponto a melhorar. Talvez acionar o celular via wi-fi ou bluetooth pelo próprio aplicativo da Alexa fosse uma mão na roda para mensagens e ligações.


VEJA TAMBÉM

Siri será compatível com WhatsApp e Skype

Assistentes de voz: como elas podem melhorar seu cotidiano?

Adobe divulga app para câmera com efeitos de realidade aumentada


MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

Vídeos

VEJA MAIS

Revista Consumidor Moderno

VEJA MAIS