Mais sustentável: primeira carne "à base de ar" é criada no mundo

Chamada de “Processo Probiótico de Produção”, a tecnologia funciona como um fermento e pode ser usada para produzir vários alimentos além de carne, como cereais, barras de proteína e shakes

A Air Protein, startup localizada em São Francisco/CA,  divulgou os protótipos de sua carne produzida à base de ar. A novidade é feita com uma tecnologia que foi explorada pela NASA na década de 1960, quando cientistas pesquisavam uma forma de alimentar os astronautas no espaço e descobriram a possibilidade de usar micro-organismos para converter CO2 em alimentos.
Chamada de “Processo Probiótico de Produção”, a tecnologia funciona como um fermento semelhante ao utilizado para fazer iogurte. Com ela é possível desenvolver a farinha proteína que possui um sabor neutro.
De acordo com a empresa, seu processo acontece em apenas 10 dias – mais rápido do que outras alternativas que estão presentes no mercado.


“A tecnologia para produzir a proteína encontrada na carne à base de ar permite que ela seja produzida em questão de dias, em vez de meses, e independentemente das condições climáticas ou estações do ano. Também requer muito menos água e terra, permitindo que as fazendas se expandam verticalmente com flexibilidade geográfica”.


Uma opção mais sustentável para o futuro


Para a empresa, a farinha pode ser considerada o alimento do futuro, além de ser vista como uma opção mais sustentável para o meio ambiente.  “A Fundação das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) prevê que os agricultores precisarão aumentar a produção de alimentos em 70%, com apenas 5% de aumento da terra para atender à população esperada de 10 bilhões de pessoas até 2050. A carne à base de ar oferece uma solução elegante para essa equação”, expôs a startup.
O material pode ser usado para produzir outros alimentos além de carne, como cereais, barras de proteína e shakes. De acordo com a empresa, a mistura secreta é composta por 80% de proteína e possui vitaminas como a B12, que normalmente não são encontradas em alimentos veganos.
Diferente de algumas proteínas animais, a opção não possui antibióticos e hormônios, e o processo é executado em energia renovável. A opção ainda pode ser considerada melhor que a proteína de soja e de vegetais, já que em sua composição possui o mesmo perfil de aminoácidos que a proteína da carne bovina e de frango.
“A farinha da Air Protein é uma proteína completa, contendo todos os nove aminoácidos essenciais necessários para a dieta humana, com um perfil de aminoácidos comparável à proteína animal e dobrando a quantidade de aminoácidos em comparação à proteína produzida na soja”, diz a Air Protein.


LEIA MAIS 

Nestlé lança hambúrguer vegano feito de cenoura e beterraba

Mercado vegano preocupa indústria láctea, aponta estudo

Do vegano ao sem perfume: indústria de cosméticos aposta em segmentação


MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

Vídeos

VEJA MAIS

Revista Consumidor Moderno

VEJA MAIS