Brechós de luxo crescem e atraem novos clientes, Millennials e Geração Z são os maiores consumidores

O mercado de brechós de luxo está crescendo quatro vezes mais que as vendas de produtos novos e se mostra como uma oportunidade para que as grifes ampliem as vendas

Nos últimos anos as vendas de produtos de luxo de segunda mão vêm crescendo, em média, 12% ao ano em nível global, contra 3% dos produtos novos. As informações são do estudo Why Luxury Brands Should Celebrate the Pre-Owned Boom, do Boston Consulting Group (BCG).

A pesquisa foi realizada com 12 mil consumidores em dez países: Alemanha, Brasil, China, Coreia do Sul, Estados Unidos, França, Itália, Japão, Reino Unido e Rússia.

Segundo a análise, os mercados não se tratam de concorrentes, já que a maior parte dos entrevistados (71%) afirmam que jamais teriam adquirido o mesmo produto em primeira mão, enquanto outros consumidores (57%) afirmam que, após experimentar a marca, consideraram comprá-la novamente por meio de um produto novo.


“O primeiro grande motor de crescimento por trás do aumento das vendas em segunda mão é a capacidade de os clientes de obter acesso a itens de luxo a preços acessíveis. A compra e venda no mercado usado permite que esses consumidores aumentem sua renda disponível, limitando seu custo total de propriedade (TCO). Cerca de 96% dos compradores da pesquisa coletiva do BCG-Vestiaire dizem que compram itens em segunda mão, em parte porque procuram bons negócios”, diz o artigo.


Millennials e a Geração Z dominam o cenário

Black Friday

Foto: Pexels

O mercado de brechós de luxo movimentou US$ 25 bilhões em 2018. Até 2021 estima-se que o cenário atinja US$ 36 bilhões, representando cerca de 9% de todo o mercado de luxo.

A maior parte do crescimento dos brechós vem das vendas online, responsáveis por 25% do mercado. Os maiores consumidores são os Millennials e a Geração Z, público que vem se preocupando cada vez mais com os impactos ambientais da indústria da moda.

Segundo a pesquisa, o mercado de segunda mão é uma maneira poderosa das marcas de luxo se aproximarem de potenciais clientes primários futuros.

Diante disso, os varejistas digitais estão mudando o perfil do comércio de produtos de segunda mão – hoje as vendas online estão mais estruturadas e oferecem catálogos com mais transparência para o consumidor.

O mercado secundário sempre foi um marco no mundo do luxo para clientes que não têm acesso ao mercado primário. As vendas online aceleraram esse efeito, à medida que mais e mais clientes que um dia podem se tornar clientes de luxo do mercado primário descobrem que ela oferece uma avenida para mercadorias que eles não pensavam que poderiam pagar, expõe o estudo.


LEIA MAIS 

Patagonia abre loja pop up para vender roupas usadas

Boutique? H&M abre loja com estrutura menor na Alemanha

Maior live brasileira sobre Black Friday será transmitida pelo YouTube em parceria com Play9


 

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

Vídeos

VEJA MAIS

Revista Consumidor Moderno

VEJA MAIS