O uso estratégico de dados na AL, inclusive para segurança pública

A ampliação da atuação da Meeta Solutions para diferentes países da América Latina gera bons desafios, resultados e o aprimoramento das empresas na região

Os benefícios e desafios relacionados ao uso correto dos dados impactam as empresas brasileiras – especialmente diante da aproximação da entrada em vigor da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Elas, porém, não são as únicas afetadas: o tratamento de dados e estratégias voltadas para o tema são preocupações de outros países que formam a América Latina.

Em um deles, a tecnologia já é usada para cruzar dados de viaturas da polícia e a localização dos agentes com informações da área de segurança. Naturalmente, as medidas de proteção de dados, que já tendem a ser bastante rigorosas, envolvem ainda mais cuidados nessa situação – afinal, é uma estratégia que envolve a vida de pessoas. Por isso, por exemplo, os insumos coletados não ficam na nuvem, mas em um servidor alocado no País.

Quem conta essa história é Edmar de Oliveira, diretor de Pré Vendas da Meeta Solutions, contratada para reunir e interpretar os dados em questão. Esse é um exemplo de como a empresa tem expandido sua área de atuação para outros países, levando o tratamento de dados para nações vizinhas, bem como o cuidado com a preservação da identidade dos consumidores – em alinhamento com a legislação de proteção de dados.

“Nas últimas oportunidades, nossa atuação não foi só técnica, pois mostramos como gerar valor, identificamos ROIs que ainda não haviam sido considerados pelas empresas-clientes”, diz. “Realizamos o tratamento da informação, processo que chamamos de barramento inteligente da informação e que permite buscas intuitivas”.

Voando para fora

Essa estratégia foi usada em uma companhia aérea, evitando inclusive momentos de estresse diante de atrasos e cancelamento de voos. Como explica o executivo, a empresa tende a prever o atraso de um avião mas, sem o fluxo correto de informações, só informa o passageiro no momento do embarque.

Para tornar essa experiência mais conveniente para o cliente, a companhia fez uso desse barramento inteligente integrado com a solução de atendimento dos guichês de check-in e desta forma possam informar o cliente sobre o atraso, oferecendo, se necessário, reembolsos e estadia. Esse projeto foi implementado na Colômbia, Argentina, México, Peru, Equador, começando pelo Brasil, é claro.

Nesses outros países, de acordo com Oliveira, o barramento de informação é um processo que já está bastante maduro, especialmente do ponto de vista de tecnologia. O desafio ainda é a questão cultural. Em outras nações, há visões diferentes sobre ganho de produtividade e gestão do cliente – nem sempre o que é prioridade aqui é prioridade lá fora.

Realização

Por isso, a implantação tecnológica envolve uma imersão na organização que contrata a Meeta Solutions. “Esse é um tipo de trabalho que não pode ser totalmente remoto”, afirma. Na companhia aérea, nossos consultores passaram 20 dias; no País que utiliza os serviços na área de segurança pública, a imersão foi de uma semana.

Não é por acaso que a expectativa para a Meeta Solutions para 2020 é positiva. Oliveira revela que a empresa espera crescer 30% na América Latina no ano que vem.

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS