Delivery em 2019: Veículos autônomos e drones geraram expectativa

A NOVAREJO reuniu o que foi destaque em tecnologia para delivery no ano. Grandes varejistas continuaram a investir em entregas por máquinas

Os investimentos em tecnologia são característicos das maiores empresas de varejo do mundo. As grandes varejistas do Brasil e do mundo fazem de tudo para conseguir ter mais eficiência em suas operações.

Uma das maiores dores do setor é o delivery. Os custos são altos, os desafios logísticos são muitos e os consumidores não aceitam pagar um centavo a mais que o necessário para ter na porta de casa os produtos que compraram pela internet.

Por isso, drones e veículos autônomos foram muito comentados em 2019. Os grandes players continuaram a investir pesado para ter seus produtos sendo entregues por robôs, seja pelas avenidas e ruas ou pelos céus. CONFIRA os destaques desse ano em tecnologia para delivery:

1. ROBÔS ENTREGADORES

Se para os motoristas o sonho é deixar que o carro vá de um ponto ao outro sem a necessidade de virar o volante manualmente, para o varejo deixar que um robô faça as entregas no lugar dos humanos já é realidade.

O Scout, robô criado pela Amazon, já faz entregas em um bairro no estado de Washington, nos Estados Unidos. Ele tem seis rodas e o tamanho de uma caixa térmica comum, além de se movimentar no ritmo de uma caminhada. A Amazon garante que o equipamento desenvolvido em seu laboratório – que fica em Seattle – é seguro e pode andar ao lado de crianças e animais.

Seguindo os passos da Amazon, a FedEx quer colocar pequenos robôs para entregar pequenas compras, como pizza ou café na porta dos consumidores. De acordo com a empresa, mais de 60% dos clientes fiéis a uma loja moram a menos de cinco quilômetros dela.

Confira todos os detalhes aqui: FedEx segue Amazon e cria seu próprio robô para delivery

O Brasil também tem tecnologia de ponta em automação de entregas. Para agilizar o processo de retirada de alimentos em shoppings, o iFood criou um robô entregador.

Por enquanto o veículo não pode operar em locais abertos ao público. O anúncio foi feito em outubro: iFood lança robô entregador e assistente de voz no aplicativo


2. DRONES

Os drones estão muito mais perto de virar realidade que carros autônomos. Lá fora, a Amazon é a pioneira na tecnologia e já disse ter os equipamentos para fazer os produtos voarem dos centros de distribuição até a casa dos consumidores.

Porém, a legislação ainda é entrave. Por isso, em janeiro a empresa de Jeff Bezos anunciou parceria com a Nasa para desenvolver um sistema que monitora o tráfego de drones.

O drone da Amazon, que faz parte do programa Prime Air / Foto: Divulgação

Leia mais sobre esta história aqui: Amazon insiste em entrega por drones e fecha parceria com a NASA

No Brasil, o iFood é, mais uma vez, destaque no assunto. A empresa usou parte do aporte de 500 milhões de dólares que recebeu em novembro do ano passado. Mesmo investindo em tecnologia, a empresa vem se perguntando se as entregas via drone serão realmente úteis para o cliente ou são um elefante branco.

Leia mais: iFood testa drones, mas se preocupa com a geração de valor para os clientes

Outra brasileira que investe no delivery aéreo é a B2W, controladora da Americanas.com e do Submarino. A expectativa da empresa é ter autorização para colocar os drones no ar até o fim do ano que vem, como a NOVAREJO mostrou em julho, nesta matéria.

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

Quanto custa abrir uma franquia de varejo no Brasil?

Home office é tendência de trabalho para 2020: veja 5 dicas

“Parasita”: Pessoas, baratas, parasitas e a diluição da identidade

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

Quais são as tendências para 2020. Veja a lista

VEJA MAIS