Apple, Amazon e Google se unem para criar padrão universal para “casas inteligentes”

Objetivo do novo protocolo é garantir segurança e tornar dispositivos inteligentes compatíveis entre si

Foto Shutterstock

Atualmente, se você deseja transformar sua residência em uma “casa inteligente“, é recomendado escolher um sistema – Amazon Echo ou Google Home, por exemplo – e seguir com ele até o fim, uma vez que aparelhos e serviços de diferentes marcas não se integram. Agora, Amazon, Apple e Google se uniram para criar um padrão de código aberto para aparelhos de “casa inteligente”, que poderão conversar entre si e acessar os mesmos serviços de maneira única.

O protocolo, batizado de Connected Home Over IP, ou apenas CHIP, será um padrão aberto para dispositivos domésticos inteligentes.

Com ele, o consumidor terá garantia de que qualquer acessório, como fechaduras ou luzes controladas remotamente, funcionará independentemente do smartphone ou assistente de voz que estiver usando.

Dessa forma, será possível configurar e utilizar qualquer dispositivo a partir da Siri ou da Alexa, por exemplo, uma vez que o protocolo de conexão da Apple e da Amazon será o mesmo.

“O projeto é construído em torno de uma crença comum de que dispositivos domésticos inteligentes devem ser seguros, confiáveis e fáceis de usar”, disseram as empresas em um comunicado conjunto à imprensa. “Com base no Internet Protocol (IP), o projeto visa permitir a comunicação entre dispositivos domésticos inteligentes, aplicativos móveis e serviços em nuvem e definir um conjunto específico de tecnologias de rede baseadas em IP para certificação de dispositivos”, diz o comunicado.

Um único protocolo significa também que o desenvolvimento de dispositivos inteligentes se tornará mais fácil. Os desenvolvedores não precisarão mais considerar métodos de acesso específicos para Amazon Echo, Google Home e Siri da Apple. Todos os três usarão o mesmo método. Isso reduzirá o limite de entrada para novos desenvolvedores e abrirá o mundo da tecnologia de “casa inteligente” para dispositivos novos e criativos.

“Embora os dispositivos domésticos inteligentes sejam abundantes, a falta de um padrão de conectividade em todo o setor deixa as pessoas confusas e frustradas ao tentar entender quais dispositivos funcionam com cada sistema doméstico inteligente. Isso também aumenta a carga de trabalho sobre fabricantes, que buscam garantir que todos os dispositivos sejam compatíveis uns com os outros”, escreveu Nik Sathe, vice-presidente de engenharia do Google, no post em que anuncia a iniciativa.

casas inteligentes

Foto Unsplash

O CHIP usará como base as tecnologias que já estão sendo usadas no mercado pela Apple, Google e Amazon. Com isso, as empresas esperam que o desenvolvimento seja rápido e a primeira versão deve ser lançada até o fim de 2020.

Mercado em expansão

O mercado de “casas inteligentes” deve continuar crescendo pelos próximos anos. Segundo a consultoria Strategy Analytics, que publicou o relatório 2019 Global Smart Home Market, os gastos do consumidor com hardware, serviços e taxas de instalação relacionados a “residências inteligentes” chegarão a US$ 103 bilhões em 2019, e devem crescer para US$ 157 bilhões até 2023.

De acordo com o relatório, no fim de 2018 havia mais de 200 milhões de lares em todo o mundo com pelo menos um dispositivo doméstico inteligente.

Até 2023, haverá mais 100 milhões de residências inteligentes à medida em que o mercado atingir 30% de todos os lares de banda larga em todo o mundo.

Segundo a o relatório, até o final de 2023 haverá mais de 6,4 bilhões de dispositivos domésticos inteligentes em uso, ou uma média de 21 por casa inteligente.

Casas inteligentes

Foto Unsplash


+ NOTÍCIAS?

Samsung apresenta robô assistente para casas conectadas
Google Assistente: Quanto custa ter uma casa conectada?
Robôs para ajudar nas tarefas do dia a dia estão perto de se tornar realidade
O uso estratégico de dados na AL, inclusive para segurança pública






MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS Prêmio Consumidor Moderno

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS