Como o Facebook pretende lutar contra o Deepfake?

Agora, o objetivo da big tech é o de se vender como uma grande fornecedora de privacidade online. Será que as pessoas vão comprar essa ideia?

Foto: John Noonan / Unsplash

Após diversas polêmicas acerca de privacidade, fake news e dados, o Facebook tem tentado reposicionar a marca e reformular seus produtos. Uma das mais importantes convenções de tecnologia, a CES (Consumer Technology Association), acontece na primeira semana do ano. Em tempo de se apresentar no palco do evento em Las Vegas, Mark Zuckerberg e sua equipe investiram em renovar a ferramenta de check up de privacidade um dia antes da grande cobertura midiática.

Bom, aqui o caminho capcioso consiste em ganhar de volta a confiança do público e dos poderes públicos de todo o mundo. Mas a questão que não quer calar é o esforço futuro da empresa para impedir com que tais problemáticas continuem afetando o cotidiano mundial. O deepfake, por exemplo, é a maior preocupação cibernética das eleições americanas de 2020. Em uma matéria sobre o app chinês que popularizou a tecnologia, explicamos melhor como ela funciona.

Basicamente, o feature controlado por inteligências artificiais é capaz de mudar expressões, falas e rostos em um vídeo. Nos Estados Unidos, a tecnologia já gerou polêmica nos últimos anos e foi alvo de processos legislativos.

Durante o evento, o Facebook anunciou que implantará novas políticas de conteúdo para que a desinformação e a disseminação de notícias e conteúdos falsos não seja um grande problema nessa nova década. Dentre as medidas estão a remoção de vídeos manipulados por inteligência artificial, imagens e conteúdos com alterações não visíveis ao público leigo e uma maior caçada às fake news e conteúdos inverídicos.

Após recentes polêmicas, a rede social já havia implantado uma série de algoritmos de checagem para certificar a veracidade de um relato.

Apesar das mudanças anunciadas, algumas publicações de manipulação simples como vídeos com cortes e inversão de ordem para alterar o seu sentido não sofrerão restrição alguma. Esse ponto levantou dúvidas e gera uma certa apreensão sobre as reais intenções da empresa.

Vale lembrar que Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, é alvo de diversos processos federais em vários países ao redor do mundo. Recentemente, ele foi convidado a prestar esclarecimentos na corte americana e para o congresso do Reino Unido.

Um resumo geral de tudo pode ser assistido no documentário Privacidade Hackeada, disponível na Netflix. O filme traz uma cobertura completa do caso da Cambridge Analytica e levanta interrogações sobre o papel do Facebook no controle do uso de dados e conteúdo distribuído em suas plataformas.

No Brasil, as eleições de 2018 foram marcadas por disparos ilegais no mensageiro mais famoso da empresa, o WhatsApp. Neste caso, a companhia confirmou o envio ilegal por serviços duvidosos vindos de diversos usuários e baniu mais de 400 mil contas da plataforma.

A mídia mundial tem comentado corriqueiramente que Zuckerberg tentará nos convencer de que o Facebook é uma empresa de privacidade e que pode nos vendê-la em seus produtos. Será mesmo?

Nova estrutura de privacidade do Facebook

  • Escolha da visibilidade de cada parte do seu perfil por ordem de usabilidade;
  • Dicas para formular uma senha mais segura;
  • Mais de três alertas de login de sua escolha: via Messenger, SMS e E-mail;
  • Como e quem pode lhe encontrar no Facebook;
  • Detalhamento, ativação e desativação dos aplicativos e funcionalidades que captam seus dados.

Satélites: Entenda a corrida da internet extraterrestre

5 big techs para ficar de olho na nova década

Facebook também testa retirada dos likes


MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

Quanto custa abrir uma franquia de varejo no Brasil?

Home office é tendência de trabalho para 2020: veja 5 dicas

“Parasita”: Pessoas, baratas, parasitas e a diluição da identidade

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

Quais são as tendências para 2020. Veja a lista

VEJA MAIS