Cresce o interesse de Baby Boomers por fundar o próprio negócio

Gerações mais velhas têm encontrado nas startups uma alternativa para equilibrar as necessidades financeiras e a liberdade de tempo para estar com a família

Foto: Shutterstock

Startup é um termo que pode remeter a um movimento jovem no universo dos negócios, mas nem todo novo empreendedor é o tradicional Millennial, na casa dos 20 ou 30 anos.

Pessoas com mais de 50 anos estão entre os empreendedores mais ativos dos Estados Unidos, com uma taxa de início de novos negócios maiores do que os mais jovens.

A Gallup, empresa de pesquisa dos Estados Unidos, relata que 80% destes negócios são destinados a complementar renda da aposentadoria, bem como manter a mente ativa.

Foto: Shutterstock

Annamaria Lusardi, professora da Escola de Administração da Universidade George Washington, contou para a revista Inc. que a Internet foi uma grande facilitadora para que mais Baby Boomers entrassem no mundo das startups.

Segundo ela, a web tornou o início e a administração de empresas menos exigentes fisicamente, permitindo que mais pessoas com energia em declínio, ou outras limitações físicas, iniciassem empreendimentos.

Liberdade e flexibilidade

Ainda para a Inc., Jeff Williams, fundador da BizStarters (serviço de treinamento para empreendedores mais velhos), diz que 60% de seus clientes se mostraram mais interessados ​​na flexibilidade de horários que em enriquecer, de fato.

Segundo Williams, os Boomers empreendedores buscam a sensação de que, depois de meses de trabalho, possam tirar algumas semanas para visitar os netos, por exemplo.

Ele também comenta que as expectativas de ganhos médios de fundadores acima de 60 anos estão entre US$ 50 mil e US$75 mil ao ano, sem que haja o interesse de competir com os salários do Vale do Silício.

Estatísticas dos empreendedores Boomers

De acordo com a aceleradora CanaGlobal, Boomers têm duas vezes mais chances que Millennials de planejar um novo negócio.

Além disso, têm uma maior capacidade de perceber necessidades ou melhorar produtos e serviços com base em experiência prática.

Outras informações compartilhadas pela CanaGlobal sobre empreendedores Boomers:

  • 67% dos negócios fundados por Boomers, nos EUA, são rentáveis;
  • 76% dos empreendedores Boomers avaliam sua própria felicidade como 8/10;
  • Os Boomers compõem metade dos empresários estadunidenses;
  • As startups fundadas por Boomers cresceram 50% em número desde 2007;
  • A indústria mais popular é a de serviços prestados às empresas;

Foto: Shutterstock

Razões da ascensão

Segundo a CanaGlobal, alguns fatores estão impulsionando a ascensão de startups fundadas por Boomers nos últimos anos. Dentre eles, os seis principais são:

  1. Gig economy: em 2018 houve um aumento de US$ 1,4 trilhão na economia de freelancers nos Estados Unidos, e a tendência é que os trabalhos autônomos continuem crescendo no interesse da população;
  2. Desemprego: as taxas de desemprego entre trabalhadores acima dos quarenta anos é crescente, e a abertura do próprio negócio acaba se tornando uma opção de renda viável;
  3. Felicidade x renda: se o foco das gerações mais antigas era ficar rico, agora, o sonho é encontrar um trabalho que traga felicidade e completude em vez de apenas dinheiro;
  4. Atritos profissionais: com equipes profissionais recheadas de jovens nas empresas, algumas pessoas de gerações mais velhas optam por trabalhar sozinhos e evitar tensões sobre como cada geração efetua o seu trabalho;
  5. Algo maior: a maioria dos Boomers sente que deveria fazer algo maior do que aquilo que está fazendo na vida, tendo uma utilidade muito maior na sociedade. Isto parte como motivação para muitas pessoas abrirem o próprio negócio;
  6. O “sonho americano”: alguns Boomers ainda querem viver o dito “sonho americano” – uma vida sem dívidas e com equilíbrio perfeito entre trabalho, família e afazeres pessoais. O empreendedorismo surge como alternativa para a realização deste sonho.

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS