Supermercadistas sofrem derrota no STF e precisarão arcar com dívidas milionárias

Empresas do ramo alimentício questionavam decisão de 2014 sobre diferença de ICMS na cesta básica. Carrefour e Pão de Açúcar preparam o pagamento das dívidas

Foto: Unsplash

Os supermercados saíram derrotados de uma ação no STF e precisarão desembolsar valores milionários para pagar dívidas referentes a diferença de ICMS na cesta básica.

Em 2014, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que os contribuintes que comercializaram produtos da cesta básica – e, portanto, têm direito a benefício fiscal de ICMS – não podem utilizar integralmente os créditos do imposto estadual, a menos que exista norma regulamentando o tema.

Grandes empresas, como Carrefour, Pão de Açúcar e BRF já provisionaram o pagamento da dívida. O Grupo Carrefour Brasil deve pagar cerca de R$ 850 milhões. Já a BRF estima pagamento de R$ 816 milhões, enquanto o Pão de Açúcar provisionou R$ 92 milhões para o pagamento da diferença.

A ação de referência é de 2014, do grupo alimentício Santa Lúcia contra o estado do Rio Grande do Sul. A empresa havia aproveitado benefício aprovado pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz). Parte dos créditos da varejista foi cancelado pelo Fisco.

“O que o STF decidiu é que, como existem produtos isentos ou não tributados na cesta básica, o varejista somente pode tomar créditos de ICMS da operação anterior na proporcionalidade dos produtos tributados na operação posterior, ainda que o produto vendido com isenção tenha entrado com crédito de ICMS”, explica Antonio Santarosa, sócio da DFSP Sociedade de Advogados

Santarosa concorda com a solicitação dos varejistas: “se a isenção ou a não incidência atinge apenas um elo da cadeia não faz sentido estornar o crédito proporcionalmente e deixar o ônus do tributo somente nesta etapa da cadeia”.

A última investida das empresas no STF fracassou. Elas queriam minimizar os prejuízos da decisão desfavorável de 2014 pedindo para que o entendimento não fosse aplicado para o passado, mas os ministros negaram o pedido.

Notícia boa para os estados

Os estados olham para o processo como uma maneira de aliviar as contas.

O governo do Rio Grande do Sul estima ter a receber aproximadamente R$ 650 milhões. O assunto é muito importante para o estado gaúcho e ganhou atenção especial do governador Eduardo Leite, que se encontrou com o ministro Gilmar Mendes um dia antes do julgamento dos primeiros embargos, em maio deste ano.

Já o estado de São Paulo deve receber R$ 700 milhões, entre débitos não inscritos e inscritos na dívida ativa. O estado paulista continuou com as autuações fiscais mesmo com o processo em andamento. Já o Rio Grande do Sul cobrou as empresas depois da primeira negativa aos embargos de declaração.


+ SUPERMERCADOS

Por que a década foi de ouro para o Carrefour?
Supermercados apostam em vendas mais aquecidas no verão 2020
Supermercados não poderão vender medicamentos, define Comissão da Câmara

 

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS