Projetos urbanos ousados que bombaram em 2019

Especialistas no assunto elegeram transformações inusitadas, ou por seu caráter divertido ou por tornarem esses centros urbanos mais limpos e acessíveis

O que metrópoles como Copenhague, Amsterdã ou Miami têm em comum com a desconhecida Trondheim, cidade norueguesa de 200 mil habitantes? Todas são palco de projetos urbanísticos de tirar o fôlego por sua ousadia e que chamaram a atenção em 2019. A lista é da revista norte-americana de design, inovação e tecnologia Fast Company, uma das referências online no assunto.

LEIA TAMBÉM: O que foi destaque em 2019? Veja a lista

Ficou curioso ou curiosa para saber quais intervenções merecem tanto destaque? Acompanhe na lista abaixo:

1. UMA USINA QUE É (QUASE) UM PARQUE DE DIVERSÕES

Copenhague, na Dinamarca, tem o compromisso de se tornar carbono-neutro até 2025 e para isso vem investindo em diversas modificações urbanas. A mais diferente delas é CopenHill, uma usina de múltiplo uso que também serve de espaço público. Além de gerar eletricidade e aquecimento para cerca de 150 mil casas, o lugar também oferece um parque para caminhadas, uma parede de escaladas e até uma pista de esqui.

2. UM BAIRRO FLUTUANTE EM AMSTERDÃ

Que tal viver em uma casa auto suficiente e flutuante em uma das cidades mais cosmopolitas do mundo? A capital da Holanda abriga um novíssimo bairro que fica em um canal no qual as casas são equipadas com painéis solares e baterias no porão para a qual os moradores podem trocar energia com seus vizinhos. Os telhados também têm áreas verdes nas quais se cultiva plantas e a água usada para manter as plantas bem vindas de reuso, claro.

 3. UM PRÉDIO COM SUPERARMAZENAMENTO DE ENERGIA

A cidade de Trondheim, na Noruega, vive boa parte do ano com bem pouca luz por causa da localização geográfica. São cinco horas de luz no inverno, mas quando chega o verão, a população lida com cerca de 20 horas de iluminação por dia. Ainda que seja por pouco tempo, essa diferença inspirou a criação de um edifício inteligente que que coleta através de painéis solares a luz durante a época de claridade e armazena a energia gerada por ela para os meses de frio. A ideia é usar essa forma de armazenamento para ser usada em mais lugares, bem como em outras cidades. A experiência parece que está dando certo.

4. SEM CARROS, MAS SE MOVENDO DE GRAÇA

O problema do trânsito nas grandes cidades atinge também Miami e a cidade norte-americana tentou achar uma saída bem criativa para isso. Para incentivar seus moradores a usarem menos o carro lançou um aplicativo chamado Velocia. Para cada trajeto que a pessoa cadastrada precisar fazer, o app oferece a melhor opção, como o uso de motos scooters ou carona coletiva. Quanto mais trajetos no app mais pontos o usuário acumula para trocar por uso de bicicletas ou metrô. É uma maneira inicial de tentar diminuir o número de carros nas ruas sem mudar drasticamente a estrutura que já existe. O incentivo de pontos costuma funcionar.

5. O CENTRO DA CIDADE QUE É CAR-FREE

Oslo, uma das principais capitais europeias, está à frente quando o assunto é restringir a circulação de automóveis em busca de ar mais limpo. A mudança aqui foi bem visual e pode ser percebida por quem visita o lugar: 700 vagas de estacionamento nas ruas foram substituídas por ciclovias, áreas verdes e bancos para as pessoas se sentarem. O ano de 2019 marcou oficialmente o primeiro movimento da cidade para restringir carros.


+ NOTÍCIAS

Você sabe o que é micromobilidade?
Como os brasileiros usam os apps de mobilidade?
Berlim é líder mundial em ranking de mobilidade urbana
Cidades estão começando a proibir carros pelo mundo






ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS