Tecnologia de “realidade paralela” pode mudar a forma como vemos placas e anúncios

Centenas de pessoas que olham para a mesma tela ao mesmo tempo podem ver informações diferentes e personalizadas. Como isso é possível?

Aquela cena em que dezenas de turistas se amontoam na frente de uma TV para checar os portões de embarque de seus voos estão com os dias contados. Displays de “realidade paralela” – um novo tipo de sinalização personalizada que mostra apenas as informações relevantes para você – já estão sendo testados e devem entrar em funcionamento ainda este ano.

Desenvolvido pela startup Misapplied Sciences, com o apoio da companhia aérea Delta Air Lines, a tecnologia de “realidade paralela” permite que uma única tela mostre mensagens diferentes para várias pessoas ao mesmo tempo, adaptando as informações a cada pessoa, não importa de onde ela esteja vendo a mensagem.

A tecnologia por trás da “realidade paralela” só é possível por conta de um novo tipo de tela ativado por um pixel de “visualização múltipla”.

Diferentemente dos pixels tradicionais, que emitem apenas uma cor de luz em todas as direções, o pixel de “visualização múltipla” desenvolvido pela Misapplied Sciences consegue emitir cores diferentes de luz em dezenas de milhares ou até milhões de direções.

Os pixels de “visualização múltipla”, combinados com um robusto sistema de localização espacial e inteligência artificial, são capazes de exibir diferentes mensagens para cada pessoa que estiver olhando, dependendo do ângulo de visão.

Projeto piloto em Detroit

Uma primeira tela de “realidade paralela” será testada em um ambiente real ainda este ano, quando a Delta lançar um projeto piloto no aeroporto metropolitano de Detroit, nos Estados Unidos. O telão da companhia no aeroporto de Detroit permitirá que os viajantes olhem para a tela digital e vejam apenas as informações referentes ao seu voo, em vez de uma grande lista de todas as decolagens e chegadas.

“Imagine um terminal de aeroporto completamente personalizado para você”, disse Albert Ng, CEO da Misapplied Sciences, na apresentação da tecnologia durante a CES 2020. “Em vez de uma lista de 100 voos, você vê apenas as informações da sua viagem. Todas as placas estão no seu idioma preferido, as setas apontam para o seu portão”, explicou.

No teste que será feito pela Delta, cada passageiro que escanear seu cartão de embarque passará a ser acompanhado virtualmente por uma câmera, que irá localizar cada pessoa no salão de embarque. À medida em que o viajante se aproxima da tela de realidade paralela, o sistema de monitoramento verifica a localização exata para que a tela possa apontar as informações personalizadas na direção do viajante.

Por questões de privacidade, apenas os passageiros que aceitarem ser rastreados por câmeras no aeroporto poderão participar do programa piloto. No futuro, smartphones com geolocalização, tecnologia de reconhecimento facial ou dispositivos vestíveis, como relógios ou pulseiras, poderão ser usados para rastrear a localização dos viajantes.

Outros usos possíveis para “realidade paralela”


Como Facebook e varejistas se unem para monitorar consumidores e direcionar publicidade
Outdoors digitais estão rastreando as pessoas para segmentar publicidade
As tendências do mercado de publicidade para 2020
Como serão os logotipos no futuro?

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS