Países que estão promovendo a energia renovável

Conheça os países que se destacaram na última década pelo alto investimento em energia renovável. China e Índia são dois nomes emergentes na lista

Os polos de inovação tecnológica pelo mundo são engajados em promover revoluções e alta tecnologia. Contudo, seu engajamento vai muito além de robôs, bancos digitais e big data: a energia renovável também está florescendo entre os países mais tecnológicos.

Segundo o Relatório da Situação Global das Renováveis de 2019, do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), o investimento global em energia verde ultrapassou US$ 2,6 trilhões na última década. Foram mais gigawatts de capacidade por energia solar instalados do que qualquer outra tecnologia de geração energética.

VOCÊ VIU? Pela primeira vez na história de Davos, tragédia ambiental é vista como maior risco aos negócios

“Investir em energia renovável é investir em um futuro sustentável e rentável, conforme vimos no incrível crescimento em energias renováveis da última década. Mas não podemos nos dar ao luxo de ser complacentes. As emissões globais do setor de energia aumentaram cerca de 10% nesse período. Está claro que precisamos acelerar rapidamente o ritmo da mudança global para as energias renováveis, se quisermos atingir as metas internacionais de clima e desenvolvimento.”

Inger Andersen, diretor executivo do Programa Ambiental da ONU para o Relatório da Situação Global das Renováveis de 2019

energia renovável

(Fonte: Unsplash)

Países emergentes se destacam no relatório

Cinco países no mundo se destacaram em 2019 não apenas pelo investimento em soluções redutoras dos danos das mudanças climáticas. Entre eles, dois países emergentes aparecem na lista: China e Índia.

1. China

A China foi o país campeão em investimento em energia limpa da década. De acordo com o estudo, US$ 758 bilhões foram empregados com este propósito entre 2010 e 2019.

A China assumiu a liderança no ranking em energia renovável porque se tornou o maior produtor, exportador e instalador de painéis solares, turbinas eólicas, baterias e veículos elétricos de todo o mundo.

2. Índia

A Índia é o quarto maior mercado de energia renovável, atrás da China, Estados Unidos e Japão. 

O relatório mostra que o país estabeleceu a meta de atingir 175 gigawatts de capacidade em energia renovável até 2022, com produção solar até 100 gigawatts – entre quatro e seis vezes mais do que produziram em 2018.

A taxa de crescimento deste setor foi de 54% nos últimos anos. Hoje, cerca de 35% da energia produzida no país provém de fontes renováveis. 

A maior parte do investimento deste gênero foi direcionado a painéis solares e usinas eólicas.

energia renovável

(Fonte: Unsplash)

3. Estados Unidos

Depois da China, os Estados Unidos são o país que mais investe em energia renovável no mundo, com US$ 356 bilhões investidos na última década.

Somente em 2018, o país investiu mais de US$ 22 bilhões em energia eólica, e US$ 20 bilhões em energia solar. Também houve investimento significativo em biocombustíveis e resíduos de biomassa, com US$ 4 bilhões e US$ 2 bilhões, respectivamente.

4. Japão

Para o relatório, o Japão foi terceiro principal investidor em energia limpa da década, com US$ 202 bilhões aplicados.

O Japão também é um dos principais centros de investimento em biomassa do mundo, juntamente com o Reino Unido e partes da Escandinávia.

De acordo com a Japan Times, o governo japonês pretende derivar 44% da energia renovável e nuclear até 2030.

Contudo, o investimento em energia eólica ainda não atingiu um estado notável, mas há crescimento observável.

5. Espanha

Embora a Espanha não tenha sido o maior investidor verde do mercado europeu, o país teve o crescimento mais espetacular da década: os investimentos cresceram 859%. 

Este salto se deu graças às novas gerações de painéis solares e eólicos de baixo custo, que começaram a despontar nos leilões e setores privados.

O país é um dos líderes mundiais quando o assunto é produção de energia eólica. Além disso, de acordo com o The Guardian, a Espanha estabeleceu a meta de tornar suas fontes de energia elétrica 100% renováveis até 2050, com a instalação de mais usinas eólicas a cada ano.

energia renovável

(Fonte: Unsplash)

Tipos de energias renováveis

Eólica: obtida do vento

Solar fotovoltaica: obtida pela luz do sol

Solar térmica: proveniente do calor do sol

Hidráulica ou hidrelétrica: energia obtida de rios e outras correntes de água doce

Biomassa e biogás: extraída de material orgânico

Geotérmica: energia térmica do interior da Terra

Energia maremotriz: obtida das marés

Energia ondomotriz: resultante das ondas do oceano

Bioetanol:  combustível orgânico  obtido da fermentação vegetal

Biodiesel: combustível orgânico obtido de óleos vegetais

Energia limpa apresenta vantagens competitivas

Segundo a Acciona, fornecedora mundial em infraestruturas para energias renováveis, o desenvolvimento da energia verde é essencial por cinco razões:

  • São competitivas no mercado, pois os custos estão baixando em todo o mundo. Logo, são uma excelente alternativa de recursos;
  • Também reduzem a dependência de importação de petróleo em países cujos recursos não são nativos;
  • São inesgotáveis em comparação às fontes convencionais, pois estão disponíveis em fontes infinitas, como o sol, o vento ou as ondas;
  • Estão de acordo com o consenso político internacional, que ditou a obrigatoriedade da redução da pegada de carbono;
  • E, naturalmente, são parceiras na luta contra as mudanças climáticas, por não emitirem gases do efeito estufa.

Estresse das mudanças climáticas está causando nova doença: a eco-ansiedade

A natureza como fonte de inspiração para o design sustentável

13 iniciativas de grandes empresas na luta contra o uso de plástico


MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS