Cultura e IA são tendências para mercado de trabalho em 2020, indica Glassdoor

Segundo pesquisa do Glassdoor, estamos caminhando para uma era onde a cultura organizacional estará no centro do trabalho — com as IAs sentadas ao lado

(Foto: Shutterstock)

Inovações tecnológicas andam lado a lado com as profissões. Enquanto muitas pessoas temem que robôs estejam roubando nossos empregos, outras analisam como eles somarão às profissões.

O Glassdoor (antigo Love Mondays) publicou um relatório com as principais tendências para o mercado de trabalho em 2020 e além — e as inteligências de máquina, claro, estão lá.

Ainda que o cenário de mudanças aceleradas cause pânico em alguns profissionais, o estudo mostra que essa variabilidade pode ser benéfica para empresas. Há novos campos e especializações despontando no horizonte, e mais recursos e empregos estão sendo gerados.

“Estamos vivendo uma revolução no campo da tecnologia em Recursos Humanos. A inteligência artificial passou de um sonho especulativo para um conjunto crescente de aplicativos de RH acessíveis e fáceis de usar.”

Andrew Chamberlain, economista-chefe do Glassdoor, para relatório

Tendências para o mercado de trabalho em 2020 e além, segundo Glassdoor

1. Inteligência artificial não é ameaça: é aliada

O ano de 2019 foi uma grande área de testes para as capacidades das inteligências artificiais. Muitos sistemas independentes começaram a ser implementados em gestão, para ajudar com feedback, organização e monitoramentos. Desta forma, gerentes ficam disponíveis para focar em conteúdos que exigem muito mais atenção, como mentorias e estratégias.

trabalho

(Foto: Unsplash)

2. Cultura importa. E importa mais que tudo

Segundo o Glassdoor, o profissional de 2020 tende a buscar mais por empresas com cultura organizacional que por altos salários — mas desde que elas coloquem em prática o que pregam.

As estatísticas comprovam que locais de trabalho baseados em cultura estão ligados a diversas melhorias: resultados financeiros, inovação, atração de talentos, comportamento ético, satisfação de clientes e mais.

Funcionários estão cada vez mais exigindo transparência e responsabilidade social nas corporações, portanto, alimentar uma ideia de “culture-first” (cultura em primeiro lugar) é mais importante que tudo.

trabalho

(Foto: Freepik)

3. Recrutadores priorizam inclusão e diversidade

Para 64% dos trabalhadores entrevistados, suas empresas estão investindo mais em diversidade e inclusão que nos anos anteriores. Em 2020, as empresas levam adiante a missão de construir equipes diversificadas.

Consequentemente, fundadores devem investir mais em ajuda especializada para liderar essas iniciativas. Líderes de Diversidade seguem populares dentro de grandes corporações, e devem começar a despontar, também, em pequenas e médias empresas.

trabalho

(Foto: Shutterstock)

4. Gen Z entra no mercado de trabalho, mas Boomers não saem

Por mais que Millennials pareçam dominantes no mercado de trabalho, a força de trabalho que mais cresce são os Baby Boomers. Segundo o estudo, pessoas com 65 anos ou mais estão mais saudáveis e vivendo mais, logo, estão mais dispostas a continuarem trabalhando mesmo na idade da aposentadoria. 

A dificuldade para se aposentar, bem como a existência de empregos fisicamente menos exigentes, também são fatores que justificam estas estatísticas.

trabalho

(Foto: Unsplash)

5. Mais digital, menos burocracia

Uma tendência que já está presente há tempos, e deve se tornar primária dentro da nova década, será a contratação por meio digital.

O relatório aponta que as empresas estão simplificando suas seleções através da experiência mobile. Sistemas de contratação mais ágeis diminuem o risco de perda de bons candidatos, que são desestimulados por burocracias endurecidas, prolixidade ou sites pouco responsivos.

trabalho

(Foto: Unsplash)


Robotização: o trabalho humano ainda tem espaço?

Millennials priorizam qualidade de vida no trabalho, diz estudo

Se os robôs tomarem os postos de trabalho, quem vai comprar do varejo?


MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS