Assistentes de voz: Como manter a privacidade e a segurança

Em passos que levam menos de cinco minutos, é possível controlar o que é compartilhado pelas assistentes

As principais big techs desenvolvedoras das assistentes de voz, voltaram um passo atrás no uso de dados dos usuários. A Apple, por exemplo, anunciou recentemente que as gravações obtidas pela Siri não serão mais captadas. Como um passo para vender mais privacidade, Amazon, Google e Microsoft também tomaram medidas importantes para um caminho mais seguro ao usuário.

As gravações são alegadamente usadas para o machine learning das assistentes de voz que utilizam inteligência artificial. O uso de pequenos trechos de conversas entre os usuários e as assistentes torna possível o desenvolvimento de novos features em equipamentos como Echo, Google Nest e Facebook Portal.

Em entrevista à Consumidor Moderno, Ricardo Garrido, Country Manager da Amazon Alexa no Brasil, contou que a empresa usou, por exemplo, seu machine learning para desenvolver uma Alexa que falasse o inglês abrasileirado, como já falamos por aqui (clique para ler). “Desenvolvemos uma maneira de a Alexa falar palavras em inglês de uma forma mais coloquial. A gente efetivamente criou uma língua dentro da assistente, o inglês abrasileirado”, revela.

Um passo a passo para manter a privacidade

De qualquer forma, fora a Apple, todas as outras empresas ainda coletam suas informações e ouvem as conversas com a sua Alexa, Cortana e Google Assistente. Aqui destrinchamos um guia prático de medidas de segurança para manter o seus dados sob seu controle.

Google Assistente

Em sua conta Google você encontrará tudo o que precisa para manter seus registros de voz privados em diversas configurações randômicas. Vamos seguir a maneira mais simples de gerenciar seus dados em voz: acesse sua conta google por um navegador móvel. No canto direito superior clique em seu avatar > Gerenciar sua conta Google > Dados e personalização > em ‘Atividade na Web e de Apps’, clique na seta que está ao canto direito da barra. Ao adentrar a página é só desmarcar a opção ‘Incluir gravações de voz e áudio’.  Ao clicar em ‘Gerenciar histórico’, também é possível apagar todos os rastros deixados em sua conta do Google.


Siri

Como falamos acima, a Apple não coleta mais gravações da Siri automaticamente. Mas caso você ainda esteja com o opt-in ativado ou no passado tenha compartilhado seus dados, a partir de uma opção nas configurações é possível deletar todos os dados coletados. Em seu iPhone, iPad ou Macbook, acesse Configurações > Siri e Busca > Histórico da Siri e Ditado. Nas opções é só desligar arrastando o botão para a esquerda.

Outra opção é desativar a opção “Permitir Quando Bloqueado”, isso desativa todas as atividades da Siri quando a tela está desligada, ao menos que você diga “E aí Siri”.


Alexa

Uma opção básica caso você tenha um Echo Dot ou um Fire Stick da última geração é a de apertar o botão que desativa o microfone da Alexa. Também dá para desativar a captação de dados pelo aplicativo da Alexa que pode ser baixado em Android ou iOS. A configuração é simples, dentro do app acesse: configurações da Conta > Histórico > Revisar o Histórico de Voz. Nesta seção é possível apagar todo o histórico de interações e também ativar a exclusão de dados via comando de voz. Ainda em Configurações > Privacidade da Alexa, é possível encontrar mais opções e desativar o envio de gravações aos desenvolvedores com fins de machine learning.

Testamos a Alexa em Português

Siri será compatível com WhatsApp e Skype

Amazon começa a oferecer vozes de celebridades para assistente virtual Alexa


MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

Quanto custa abrir uma franquia de varejo no Brasil?

Home office é tendência de trabalho para 2020: veja 5 dicas

“Parasita”: Pessoas, baratas, parasitas e a diluição da identidade

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

Quais são as tendências para 2020. Veja a lista

VEJA MAIS