Geração Z é mais politizada do que as anteriores. Como impactar este público?

Racional na hora de se relacionar com as marcas nas redes sociais, adolescentes e jovens até 24 anos buscam marcas que ajudem a aprender e consumir de forma mais criteriosa

O que tem em comum Greta Thunberg na luta contra o aquecimento global mundo afora, Emma González, que liderou o movimento estudantil Never Again pelo fim do controle da venda de armas nos Estados Unidos após sobreviver a um massacre na Flórida, e Malala Yousafzai, a pessoa mais jovem no mundo a ganhar o Prêmio Nobel da Paz? A sensação de que a próxima geração mais jovem – aquela que vai dos 16 aos 24 anos – está mais interessada em causas e ações políticas não é só um palpite de quem observa os acontecimentos recentes e o buzz das redes sociais.

Uma pesquisa comandada pela empresa Verizon Media, consultoria especializada em conteúdo, publicidade e tecnologia (que tem como clientes o Yahoo e o jornal Huffington Post) confirma o real interesse em causas que movem a Geração Z, formada por jovens entre 16 a 24 anos. Para eles, que serão os herdeiros do planeta no século 21, meio ambiente, questões políticas e pautas sociais são os temas de maior atenção do momento nas conversas entre seus grupos.

A pesquisa feita com 60 mil pessoas, em 15 mercados diferentes e analisou mais de 100 mil interações online. A consultoria também aponta alguns acontecimentos a partir de 2016 que podem ter influenciado nesse comportamento – entre eles a eleição de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos e o Brexit, cujos impactos na vida cotidiana das pessoas ainda são imprevisíveis.

11 indústrias que estão prosperando graças aos Millennials
A Geração Z está matando diversos setores do mercado. E agora?

No Brasil, especificamente, ainda que a saída do Reino Unido da União Europeia e o Trumpismo não tenham impacto direto na vida dos jovens dessa faixa etária, a mesma tendência de preocupação com esses temas foi identificada. Por aqui, na avaliação da Verizon com 4,2 mil pessoas, o interesse dessa parte da população por temas políticos, por exemplo, aumentou 72% se comparado a 2016, quando uma outra pesquisa do gênero foi feita.

Mais um fator relevante apresentado pela pesquisa é o de que a Gen Y procura buscar na internet mais pesquisas e explicações sobre o mundo do que apenas reagir a um impulso emocional – leia-se “dar like”. Por isso mesmo, a ligação desse grupo com empresas que defendam uma causa ou tenham uma bandeira clara é muito mais real do que com as gerações anteriores.

Além de apenas “aparecer” e se comunicar com seus pares em redes como Snapchat ou Instagram – algo mais comum nos millennials – os integrantes da Gen Y querem ficar informados e formar a sua opinião dentro desses assuntos.

EM BUSCA DE UM PROPÓSITO

Geração Z

Foto Shutterstock

Essa curiosidade por saber mais e a dedicação maior para causas é vista como a tal busca por propósito que bureaus de tendência já vêm indicando ser característico da Gen Y. Isso pode fazer com que eles interajam mais com as marcas e até com branded content produzido por elas, desde que fique claro o objetivo da campanha publicitária ou do produto que estão oferecendo.

Ainda falando sobre os números da pesquisa no Brasil, 100% dos entrevistados admitiu para a Verizon Media ter mais chances de comprar algo de uma marca com a qual interagiu ou segue e 32% até compartilhariam conteúdo patrocinado dependendo da causa que ela defender. É um dado importante para ficar de olho e um sinal verde para as empresas investirem em conteúdo relevante e bem feito para se destacarem na próxima década, você não concorda?


Marcas exploram TikTok em busca de diálogo com a Geração Z

Busca por práticas sustentáveis ​​de varejo crescem entre a Geração Z

Greta Thunberg é a Personalidade do Ano. O que ela nos diz sobre a Geração Z?







ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS