The Body Shop vai contratar a primeira pessoa que se candidatar a uma vaga

Varejista norte-americana testou política em seu centro de distribuição e vai expandir a prática para todas as lojas nos EUA no meio do ano

Foto: Unsplash

Os longos processos seletivos com dinâmicas de grupo, redação, entrevistas individuais e negociação de salário e benefícios estão com os dias contados na The Body Shop.

Nos Estados Unidos, a varejista de produtos de beleza está contratando a primeira pessoa que se candidatar a uma vaga. Para trabalhar no centro de distribuição da empresa é necessário dar resposta alternativa a três perguntas:

• Você está autorizado a trabalhar nos Estados Unidos?
• Você consegue trabalhar até oito horas por dia?
• Você consegue carregar objetos de até 22kg?

Se a resposta for sim para todas as perguntas, a pessoa está contratada. Ainda que o candidato ou candidata tenha antecedentes criminais.

Resultados

A The Body Shop aprendeu sobre a abordagem de contratação aberta com a Greyston Bakery, empresa que vende produtos de panificação para companhias como Whole Foods, da Amazon, e Ben & Jerry’s. Há cerca de um ano profissionais da Greyston deram uma palestra sobre o tema para funcionários da TBS.

No fim de 2019 a varejista implantou a política para contratações em seu centro de distribuição. Para se ter ideia a taxa de rotatividade entre os funcionários caiu 60% na comparação anual.

Em 2018, o centro de distribuição da The Body Shop tinha taxa de rotatividade de 38% em novembro e 43% em dezembro. No ano passado, a empresa registrou 14% e 16% de rotatividade nos mesmos meses, respectivamente.

A The Body Shop planeja expandir a prática para todas as suas lojas nos Estados Unidos a partir de junho. A operação no país norte-americano emprega 800 pessoas. Entre novembro e dezembro 1.000 pessoas trabalharam nas lojas da TBS.

O que esperar da parceria entre Nike e Centauro?
Dicas para seu comércio não sofrer com os feriados prolongados em 2020

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS