Instagram x Facebook: o que as marcas preferem?

Estudo do Socialbakers mostrou que engajamento caiu nas duas redes no último trimestre de 2019, no entanto Instagram segue trazendo mais engajamento e interações

Se você está com a sensação de que o Facebook “perdeu a graça” e já não interage muito por lá, você não está só. Um levantamento do Socialbakers identificou que, pela primeira vez na história, o alcance e o engajamento dos posts das 50 maiores marcas do mundo foi maior no Instagram do que no Facebook.

Foto: Rolands Zilvinskis

A pesquisa também mostrou que as 50 principais marcas publicaram mais conteúdo no Facebook, mas o engajamento nessas postagens não atingiu os números que o Instagram conseguiu alcançar. O total de interações no Instagram foi quase 20 vezes maior do que no Facebook.

O engajamento maior no Instagram indica que as pessoas estão muito mais abertas a interagir e participar de conversas com marcas no Instagram do que no Facebook, onde o engajamento orgânico atual já não é tão intenso como no passado.

“O Instagram ultrapassar o Facebook entre as maiores marcas não foi uma surpresa. O que foi inesperado no quarto trimestre de 2019, no entanto, foi o declínio relativo no engajamento durante a temporada de festas. Este é um sinal de aviso de que as marcas precisam entender mais profundamente quais tipos de conteúdo seus públicos acham atraente e um método ágil para colocar esse conteúdo no ar”, afirma Yuval Ben-Itzhak, CEO da Socialbakers.

A queda no engajamento

O engajamento é uma das métricas mais importantes para as marcas nas redes sociais. Não adianta ter um número de seguidores gigantes se eles não veem ou interagem com o conteúdo publicado.

O que a pesquisa do Socialbakers detectou é que o engajamento das marcas no último trimestre de 2019 foi menor do que no mesmo período de 2018.

Para as marcas, isso é preocupante e um ponto de atenção sobre a quantidade e a qualidade do conteúdo que está sendo publicado. Com tanta competição de outras marcas, influenciadores e posts dos amigos, é possível que os usuários estejam saturados de conteúdo.

Mesmo os setores de maior sucesso nas redes sociais, como moda e e-commerce, tiveram queda significativa de engajamento no fim do ano. Para se ter ideia, moda, o setor mais competitivo do Instagram, reduziu o engajamento em 19,4%, enquanto a principal indústria do Facebook, o e-commerce, diminuiu em 9,6%.

Segundo o Socialbakers, isso pode indicar que as marcas precisam se concentrar mais em produzir conteúdo com mais qualidade, mesmo que em menos quantidade, para voltar a obter o engajamento das pessoas.

Facebook segue relevante para as marcas

Embora não pareça, o Facebook continua crescendo e segue como rede social de maior penetração no mundo. No entanto, seu crescimento desacelerou nos últimos anos porque já não tem tanta margem para crescimento e perdeu o interesse do público mais jovem, que migrou para Instagram e, agora, TikTok.

A queda na taxa de crescimento do Facebook, especialmente entre o público jovem, não quer dizer que a plataforma tenha deixado de ser relevante para a estratégia das marcas. Em dezembro de 2019, eram mais de 2,5 bilhões de usuários ativos por mês no mundo todo. No primeiro trimestre de 2019, “apenas” 2,3 bilhões de usuários.

Além de concentrar um volume gigantesco de usuários, o Facebook é a única rede social que atinge todas as faixas etárias, inclusive os Boomers e a “Geração Silenciosa”, com aqueles que hoje tem entre 75 e 95 anos. Segundo pesquisa do Pew Research Center, 37% dos nascidos antes de 1945 nos Estados Unidos são ativos na rede.

Como o Facebook pretende lutar contra o Deepfake?
Inspiração: cinco perfis de instagram com fotos de tirar o fôlego
6 ferramentas gratuitas para levar seu Instagram a um novo patamar
TikTok faz nova vítima: Instagram






ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS