Tecnologia permite que o atendimento ao cliente aconteça da casa dos colaboradores

O home office se tornou essencial diante do novo coronavírus. Entenda como as empresas de atendimento ao cliente podem aproveitar essa alternativa

A partir do dia 16 de março de 2020, o termo a busca pelo termo “home office” alcançou o pico de buscas, segundo o Google Trends. Não é por acaso. Com a chegada e disseminação do novo coronavírus, causador da doença COVID-19, surgiu a necessidade de diminuir a locomoção pelas cidades e, portanto, as empresas precisaram buscar alternativas de trabalho para seus colaboradores.

Regularizado em 2017, a partir da nova lei trabalhista, o chamado “teletrabalho” gera benefícios no dia a dia e ainda mais neste momento de crise, funcionando como um recurso de segurança. Assim, tornou-se a opção de empresas de diferentes setores, inclusive de contact center – algo que, há alguns anos, seria inimaginável.

Atendimento em casa

Para que esse formato seja possível, contudo, há um elemento indispensável: a tecnologia. E as empresas que fornecem soluções capazes de viabilizar o home office estão atentas ao momento. Exemplo disso é a Kainos, que preparou um Plano de Contingência para atender qualquer empresa que esteja em situação emergencial ou de precaução.

A empresa pode colaborar com o desenvolvimento de atendimento remoto, considerando centrais de atendimento de voz, chat, e-mail ou redes sociais. A Kainos disponibiliza, para implantação imediata, uma solução de atendimento na nuvem que pode ser aplicada em qualquer local e agrega workforce management e a segurança da informação, permitindo atendimento externo.

Diário da quarentena em Barcelona: uma nova rotina do dia para a noite

Impactos do coronavírus têm potencial para destruir a indústria do turismo

Home office por conta do coronavírus? Veja dicas para facilitar o trabalho remoto






MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS Prêmio Consumidor Moderno

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS