Entenda como o coronavírus está aquecendo mundialmente a economia de aplicativos móveis

Políticas públicas de isolamento social para contenção do Covid-19 têm aberto um enorme espaço para o mercado de apps. Negócios, entregas, games e wellness são exemplos

Voos cancelados, home office, eventos e conferências adiados, aulas interrompidas. Essas e outras medidas preventivas de isolamento social contra a disseminação do novo coronavírus impactam diretamente no modo como a população interage com os aplicativos móveis.

Um relatório feito pela App Annie, companhia de análise de mercado mobile, constatou um aumento do tempo gasto no celular, movido principalmente por aplicativos de produtividade, educação, games e entretenimento.

Para se ter ideia, em fevereiro de 2020, cada chinês passou em média 5 horas por dia olhando o smartphone, uma média de crescimento de 30% em relação à média diária de todo o ano de 2019. Na mesma linha de comparação, os acessos na Itália subiram 11%, enquanto Japão e Coreia do Sul registraram alta de 7% cada.

Países como o Brasil que estão vivendo as etapas iniciais da epidemia não tiveram o mesmo impacto. Entretanto, tudo indica que o crescimento virá nas próximas semanas, conforme as medidas de restrição e circulação de pessoas vem sendo tomadas pelos governos.

Para entender melhor como está se estabelecendo essa relação entre consumidores e aplicativos, trouxemos abaixo o comportamento, por setor, do mercado durante a epidemia do coronavírus. Veja:

Segundo o relatório da App Annie, um dos primeiros e mais importantes movimentos vistos na economia móvel na China foi a procura por aplicativos de negócios. O acontecimento está relacionado ao fechamento das cidades e o inicio dos home offices, — fenômeno que já começa a acontecer em cidades com casos confirmados da doença no Brasil — a partir desse momento os downloads e horas gastas em apps do setor decolaram.

Durante a primeira quinzena de fevereiro, os aplicativos de educação e negócios foram baixados duas vezes mais mais que no mesmo período em 2019, onde destacaram-se o Zoom Cloud Meetings, DingTalk e Huawei Cloud WeLink.

VOCÊ VIU? Home office por conta do coronavírus? Veja dicas para facilitar o trabalho remoto

Na Itália, uma tendência semelhante foi vista. Durante a primeira semana de março foram registrados 761 mil downloads de aplicativos de negócios nas plataformas Google Play e IOS. Um aumento de 135% em relação ao nível médio semanal do ano anterior.

O app de teleconferência Zoom Cloud Meetings ficou em primeiro lugar no ranking geral de downloads de aplicativos para iPhone que considerou 35 mercados.

Com mais tempo ocioso as pessoas recorrem aos jogos de celular para se divertir e passar o tempo. O estudo viu essa tendência aparecer forte pela primeira vez na China no período de quarentena. Em fevereiro de 2020, o número médio de jogos baixados cresceu 80% em comparação com a média de 2019. As médias semanais de downloads, apenas para IOS, ficaram em 63 milhões.

Outro país que também registrou números altos desde que foi atingido pelo Covid-19, foi a Coréia do Sul. Na última semana de fevereiro o país ultrapassou a marca de 15 milhões de jogos baixados em smartphones, um aumento de 25% em relação a janeiro.

À medida que mais pessoas enfrentam um aumento no tempo em ambientes fechados, elas recorrem mais ao celular para se divertir. A tendência é que mais países sigam o padrão na China e da Coréia do Sul e vejam um aumento nos downloads de jogos.

A App Annie selecionou os 10 melhores games por download para refletir a demanda atual durante a primeira semana de março em oito países (China, França, Alemanha, Itália, Japão, Coréia do Sul, Reino Unido e Estados Unidos).

Slap KingsWoodturningDraw Climber e Brain Test: Tricky Puzzles se destacaram em muitos dos mercados analisados ​​que estão enfrentando surtos de coronavírus em grande escala. Confira:

A instabilidade econômica, ao passo que a pandemia de coronavírus se espalha, é sentida pelas indústrias do mundo todo. Os consumidores estão preocupados com o estado da economia global enquanto a doença é combatida.

Essa preocupação e até receio em relação ao futuro por parte da população se reflete em um aumento na média semanal de horas gastas em aplicativos financeiros. De acordo com o estudo, Japão, Coréia do Sul, EUA e China tiveram a maior alta no tempo gasto durante a primeira semana de março, em comparação com a última semana de 2019: 55%, 35%, 20% e 20%, respectivamente.

Como esperado, as mídias sociais e os aplicativos de streaming também sentiram os impactos, positivos, do isolamento social causado pelo coronavírus. Na China, o TikTok registrou um aumento no tempo médio gasto por usuário e no tempo total gasto no aplicativo em telefones android.

Segundo os estudos, em 2019, oito de cada dez minutos no TikTok eram provenientes de usuários na China e o tempo gasto excedeu 68 bilhões de horas em todo o mundo. A primeira semana de março foi a maior semana registrada no aplicativo. Apenas na China, os usuários gastaram mais de 3 bilhões de horas no TikTok – um aumento de 130% em relação à média semanal de 2019.

Nos aplicativos de streaming de vídeo para android o que se notou foi uma mudança no ranking de aplicativos entre os 10 principais. Embora não tenha havido um aumento considerável, isso pode significar que os consumidores estão procurando fora de seus serviços normais, expandindo o catálogo de conteúdo que eles têm à sua disposição.

Políticas sociais de distanciamento, trabalho em casa e quarentena aumentaram a demanda por aplicativos de entrega de alimentos nos países atingidos pelo Covid-19.

Para dimensionar essa questão, a App Annie analisou os aplicativos de entrega de comida e bebida nos mercados da China, Reino Unido, Japão, Coréia do Sul, Alemanha, Itália, Estados Unidos e França — o resultado foi o crescimento total das demandas.

Essas demandas representam o potencial de compra pelo aplicativo, desde a pesquisa em restaurantes, passando pelos pedidos efetuados e indo até a verificação do status da entrega.

A tendência é mundial, à medida que os países atingidos pela epidemia aplicam quarentenas obrigatórias e estendem as políticas de distanciamento social.

Por fim, o estudo revelou que as pessoas estão procurando por apps que ajudam a manter a qualidade de vida no tempo de isolamento social.

O tempo médio gasto em aplicativos de saúde, fitness e de medicina, aumentou significativamente até a primeira semana de março em aparelhos android nos Estados Unidos.

O Headspace, aplicativo dedicado a meditação e atenção plena, constatou um aumento e 90% no tempo gasto em iPhones. Conforme o home office e as medidas de quarentena são tomadas, os consumidores recorrem aos dispositivos móveis para encontrar serenidade, foco, atenção e métodos de gerenciamento de estresse.

Em smartphones android, o aplicativo Mayo Clinic também registrou uma alta de 200% no tempo gasto das pessoas no app, que oferece ao usuário acesso ao agendamento de consultas, mensagens seguras com profissionais de saúde, informação sobre sintomas e doenças e visualização dos resultados de testes.

Coronavírus afeta comportamento do consumidor

Newsletter ganha força em tempos de caos e pode ajudar marcas a falarem sobre coronavírus

Coronavírus: planos de saúde devem cobrir testes e tratamento da doença?






MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS Prêmio Consumidor Moderno

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS