Algar Tech permite que 50% dos colaboradores aguardem em casa pela adaptação de infraestrutura para home office

A empresa agiu de forma preventiva durante a migração de profissionais para regime de home office e ampliou os cuidados nas instalações internas. Entenda

O avanço da COVID-19, no mundo todo, está fazendo com que as empresas encontrem alternativas de trabalho para seus colaboradores. A maior parte dos setores e segmentos de mercado precisaram fechar escritórios mas, por outro lado, algumas companhias foram indicadas como prestadoras de serviços essenciais e, por isso, não podem parar. Um exemplo disso é o setor de atendimento ao cliente.

Em resposta a esse cenário, a Algar Tech decidiu manter 50% de seus colaboradores de atendimento em casa a partir do dia 23 de março. A decisão foi tomada de forma preventiva: mesmo antes de as instalações para home office serem finalizadas, os colaboradores foram dispensados. Ao mesmo tempo, a Algar Tech está adaptando os lares dos colaboradores para funcionarem como estações de trabalho.

Foco no colaborador

A prioridade, naturalmente, foi a liberação de grupos de risco, como idosos e pessoas com complicações pré-existentes de saúde. Porém, mais pessoas passarão a aguardar em seus lares enquanto a infraestrutura necessária para trabalho remoto é instalada. Alguns grupos que não se enquadram na classificação de grupo de risco, como mulheres grávidas, também seguirão mesma orientação.

Paralelamente, nas instalações da empresa, a Algar Tech desenvolveu medidas preventivas como o espaçamento entre as posições de trabalho e o revezamento com folgas remuneradas. Treinamentos presenciais e processos seletivos também foram suspensos.

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS