Idade emocional: para especialista, Covid-19 resgata o peso da idade biológica

Para Marina Roale, da Consumoteca, pandemia pode trazer novos paradoxos às idades emocionais. Confira a opinião da Embaixadora do projeto IDENTIDADES

Foto Paulo Reis

Considerando que as gerações não são mais segmentadas, hoje, pela idade cronológica ― e sim pelos estilos de vida de cada um ― qual é o papel das idades emocionais em meio à pandemia do coronavírus

Em um mundo em que Baby Boomers se mostram cada vez mais conscientes do próprio corpo e da saúde (tanto física quanto mental), os indivíduos do grupo de risco ainda são tão vulneráveis quanto se espera?

Marina Roale, líder em pesquisa e conteúdo da Consumoteca e Embaixadora de Idades Emocionais do IDENTIDADES, respondeu à Consumidor Moderno que, sim, o coronavírus pode trazer novos paradoxos ao “fim” das idades.

“A pandemia acaba botando em xeque o próprio conceito de idade emocional. Por mais que nos últimos anos a gente veja todo um movimento de repensar quem somos a partir do que escolhemos ser e deixando de lado estereótipos da idade, o coronavírus acaba resgatando momentaneamente o peso da nossa idade biológica, pois ele deixa claro nas estatísticas  que nossa contagem cronológica faz diferente nesse caso.”

Quando o assunto é uma doença que causou uma crise global, ela explica, a identificação com a juventude e grau de atividade perdem um pouco do peso na sociedade. “Se ela possui a idade biológica que a coloca no grupo de risco, ela precisa de fato tomar mais cuidado”, recomenda.

Contudo, ela explica que, de fato, essa realidade gera uma incongruência, e deve ser analisada com cautela: “É como se vírus jogasse uma verdade dura dizendo: “sua idade importa, sim!” na face de um geração que vem ressignificando a ideia de terceira idade. Isso cria um grande desconforto, pois abre-se um conflito entre a lente social e a lente científica que temos sobre nós mesmos.”

Como as diferentes gerações estão lidando com a pandemia

Segundo um estudo da Big Data Corp, Millennials são a geração da preocupação. 50% dos jovens milenares dizem que o coronavírus já impactou significativamente suas decisões. Em compensação, apenas 33% dos Baby Boomers e 42% da Geração X afirmaram o mesmo.

Para Marina Roale, a preocupação atravessa diferentes gerações, mas encontra modelos diferenciados em cada uma delas. “A diferença é que a preocupação dos mais jovens está associado ao mundo externo; se dá no fato de vivenciarem um cenários de caos e apocalipse, tal qual o dos seriados que eles cresceram assistindo.” Ela complementa: “já nos mais velhos o medo é mais interno, pois há uma preocupação mais efetiva em pegar o vírus e entrar para estatística de casos graves.”

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS